Ajuste fino da vida na Terra (Atualizado em junho de 2004)

Resultado de imagem para ajuste fino

Os requisitos ambientais para a existência da vida dependem fortemente da forma de vida em questão. As condições para a existência da vida primitiva, por exemplo, não são tão exigentes quanto para a vida avançada. Além disso, faz uma grande diferença a forma como a forma de vida é ativa e quanto tempo permanece em seu ambiente. Nesta base, existem seis zonas ou regiões distintas nas quais a vida pode existir. Na ordem do mais amplo ao mais estreito, são os seguintes:

1. para vida unicelular de baixo metabolismo que persiste por apenas um breve período de tempo
2. para vida unicelular de baixo metabolismo que persiste por um longo período de tempo
3. para vida unicelular de alto metabolismo que persiste por um breve período de tempo
4. para unicelular , vida de alto metabolismo que persiste por um longo período de tempo
5. para vida avançada que sobrevive apenas por um breve período de tempo
6. para vida avançada que sobrevive por um longo período de tempo

No entanto, fatores complicadores são que a vida unicelular e de baixo metabolismo (extremófilos) geralmente é mais facilmente sujeita a danos por radiação e tem uma baixa taxa de reparo molecular. O problema da origem da vida é muito mais difícil para a vida de baixo metabolismo (H. James Cleaves II e John H. Chambers, “Extremófilos podem ser irrelevantes para a origem da vida” , Astrobiology, 4 (2004), pp. 1-9) . Os seguintes parâmetros de um planeta, de seus companheiros planetários, de sua lua, de sua estrela e de sua galáxia devem ter valores que caem dentro de faixas estreitamente definidas para que exista vida física de qualquer tipo. As referências seguem a lista.

  1. tipo de aglomerado de galáxias
    • se rico demais: colisões e fusões de galáxias interromperiam a órbita solar
    • se muito escassa: infusão insuficiente de gás para sustentar a formação de estrelas por um tempo suficiente
  2. tamanho da galáxia
    • se for muito grande: a infusão de gás e estrelas perturbaria a órbita do sol e provocaria muitas erupções galácticas
    • se muito pequeno: infusão insuficiente de gás para sustentar a formação de estrelas por tempo suficiente
  3. tipo galáxia
    • se elíptico demais: a formação estelar cessaria antes do acúmulo de elementos pesados ​​suficiente para a química da vida
    • se muito irregular: a exposição à radiação ocasionalmente seria muito severa e elementos pesados ​​para a química da vida não estariam disponíveis
  4. distribuição de massa da galáxia
    • se houver muita protuberância central: o planeta que sustenta a vida será exposto a muita radiação
    • se houver muito nos braços espirais: o planeta de suporte à vida será destabilizado pela gravidade e radiação dos braços espirais adjacentes
  5. localização da galáxia
    • se muito perto de um aglomerado de galáxias rico: a galáxia seria gravitacionalmente interrompida
    • se muito perto de galáxias muito grandes: a galáxia seria gravitacionalmente interrompida
    • se estiver muito longe das galáxias anãs: quantidade insuficiente de gás e poeira para sustentar a formação estelar contínua
  6. taxa de decaimento de partículas frias de matéria escura
    • se for muito pequeno: formar-se-ão poucas galáxias esferoidais anãs, o que impede a formação de estrelas por tempo suficiente em galáxias grandes, para que planetas sustentáveis ​​se tornem possíveis
    • se muito grande: muitas galáxias anãs esferoidais se formarão, o que tornará as órbitas de estrelas do tipo solar instáveis ​​por longos períodos de tempo e levará à geração de episódios mortais de radiação
  7. erupções hipernovas
    • se houver poucas cinzas de elementos pesados ​​suficientes para a formação de planetas rochosos
    • se for demais: abundância relativa de elementos pesados ​​em planetas rochosos seria inapropriada para a vida; muitos eventos de colisão no sistema planetário
    • se cedo demais: leva a uma história de evolução de galáxias que perturbaria a possibilidade de vida avançada; cinzas de elementos pesados ​​insuficientes para a formação de planetas rochosos
    • se for tarde demais: leva a uma história de evolução da galáxia que perturbaria a possibilidade de vida avançada; abundância relativa de elementos pesados ​​em planetas rochosos seria inapropriada para a vida; muitos eventos de colisão no sistema planetário
  8. erupções de supernovas
    • se muito perto: a vida no planeta seria exterminada pela radiação
    • se longe demais: não existiriam cinzas de elementos pesados ​​suficientes para a formação de planetas rochosos
    • se não for frequente: não há cinzas de elementos pesados ​​suficientes para a formação de planetas rochosos
    • se for muito frequente: a vida no planeta seria exterminada
    • se muito cedo: cinzas de elementos pesados ​​seriam dispersas demais para a formação de planetas rochosos em um período suficientemente cedo na história cósmica
    • se for tarde demais: a vida no planeta seria exterminada pela radiação
  9. binários de anã branca
    • se for insuficiente: produção de farinha insuficiente para a química da vida prosseguir
    • se for demais: órbitas planetárias interrompidas pela densidade estelar; a vida no planeta seria exterminada
    • se muito cedo: não seriam produzidos elementos pesados ​​suficientes para uma produção eficiente de farinha
    • se tarde demais: a farinha seria atrasada para incorporação no protoplanet
  10. proximidade da nebulosa solar a uma erupção de supernova
    • se mais longe: elementos pesados ​​insuficientes para a vida seriam absorvidos
    • se mais perto: nebulosa seria destruída
  11. momento da formação da nebulosa solar em relação à erupção da supernova
    • se antes: a nebulosa seria destruída
    • se mais tarde: a nebulosa não absorveria elementos pesados ​​o suficiente
  12. número de estrelas no agregado de nascimento de estrelas pai
    • se for insuficiente: entrada insuficiente de certos elementos pesados ​​na nebulosa solar
    • se for demais: órbitas planetárias serão radicalmente perturbadas
  13. história da formação de estrelas na vizinhança de estrelas-mãe
    • se for muito cedo: órbitas planetárias serão radicalmente perturbadas
  14. data de nascimento do sistema estrela-planetário
    • se muito cedo: a quantidade de elementos pesados ​​será muito baixa para formar grandes planetas rochosos
    • se for tarde demais: a estrela ainda não teria atingido a fase de queima estável; a proporção de potássio-40, urânio-235 e 238 e tório-232 em relação ao ferro será muito baixa para que as placas tectônicas de longa duração sejam sustentadas em um planeta rochoso
  15. distância estrela estrela do centro da galáxia
    • se mais longe: a quantidade de elementos pesados ​​seria insuficiente para formar planetas rochosos; abundância incorreta de silício, enxofre e magnésio em relação ao ferro para obter características apropriadas do núcleo do planeta
    • se mais perto: a radiação galáctica seria muito grande; a densidade estelar perturbaria as órbitas planetárias; abundância incorreta de silício, enxofre e magnésio em relação ao ferro para obter características apropriadas do núcleo do planeta
  16. distância da estrela-mãe do braço espiral mais próximo
    • se for muito grande: a exposição a radiação nociva do núcleo galáctico seria muito grande
  17. alturas do eixo z da órbita da estrela
    • se mais de um: interações de maré perturbariam a órbita planetária do suporte à vida
    • se menos de um: o calor produzido seria insuficiente para a vida toda
  18. quantidade de poeira galáctica
    • se muito pequeno: a taxa de formação de estrelas e planetas é inadequada; a formação de estrelas e planetas ocorre tarde demais; muita exposição à radiação ultravioleta estelar
    • se muito grande: visão bloqueada da galáxia e de objetos além da galáxia; a formação de estrelas e planetas ocorre muito cedo e a uma taxa muito alta; muitas colisões e perturbações da órbita na galáxia e no sistema planetário
  19. número de estrelas no sistema planetário
    • se mais de um: interações de maré perturbariam a órbita planetária do suporte à vida
    • se menos de um: o calor produzido seria insuficiente para a vida toda
  20. idade da estrela-mãe
    • se mais velho: a luminosidade da estrela mudaria muito rapidamente
    • se mais jovem: a luminosidade da estrela mudaria muito rapidamente
  21. massa da estrela-mãe
    • se maior: a luminosidade da estrela mudaria muito rapidamente; estrela queimaria muito rapidamente
    • se menor: o alcance das distâncias do planeta para a vida seria muito estreito; forças de maré atrapalhariam o período rotacional do planeta da vida; radiação UV seria inadequada para as plantas produzirem açúcar e oxigênio
  22. metalicidade da estrela-mãe
    • se muito pequeno: existiriam elementos pesados ​​insuficientes para a química da vida
    • se muito grande: a radioatividade seria muito intensa para a vida; a vida seria envenenada por concentrações de elementos pesados
  23. cor da estrela pai
    • se mais vermelho: a resposta fotossintética seria insuficiente
    • se mais azul: a resposta fotossintética seria insuficiente
  24. marés galácticas
    • se fraco demais: taxa de ejeção de cometa muito baixa da região gigante do planeta
    • se muito forte demais, uma taxa de ejeção de cometa da região gigante do planeta
  25. Produção de H +
    • se muito pequeno: moléculas simples essenciais para a formação do planeta e a química da vida não se formarão
    • se for muito grande: os planetas se formarão na hora e no local errados por toda a vida
  26. fluxo de prótons dos raios cósmicos
    • se muito pequeno: formação inadequada de nuvens na troposfera do planeta
    • se muito grande: muita formação de nuvens na troposfera do planeta
  27. vento solar
    • se fraco demais: muitos prótons dos raios cósmicos atingem a troposfera do planeta, causando muita formação de nuvens
    • se muito forte: poucos prótons dos raios cósmicos atingem a troposfera do planeta, causando pouca formação de nuvens
  28. luminosidade da estrela-mãe em relação à especiação
    • se aumentar muito cedo: o efeito de fuga da estufa se desenvolveria
    • se aumentar tarde demais: a glaciação descontrolada se desenvolveria
  29. gravidade da superfície (velocidade de escape)
    • se mais forte: a atmosfera do planeta reteria muita amônia e metano
    • se mais fraco: a atmosfera do planeta perderia muita água
  30. distância da estrela pai
    • se mais longe: o planeta seria muito frio para um ciclo estável da água
    • se mais perto: o planeta estaria quente demais para um ciclo estável da água
  31. inclinação da órbita
    • se for muito grande: as diferenças de temperatura no planeta seriam muito extremas
  32. excentricidade orbital
    • se muito grande: as diferenças sazonais de temperatura seriam muito extremas
  33. inclinação axial
    • se maior: as diferenças de temperatura da superfície seriam muito grandes
    • se menor: as diferenças de temperatura da superfície seriam muito grandes
  34. taxa de variação da inclinação axial
    • se maior: as mudanças climáticas seriam muito extremas; diferenças de temperatura da superfície se tornariam muito extremas
  35. período de rotação
    • se mais: diferenças de temperatura diurnas seriam muito grandes
    • se menor: as velocidades do vento atmosférico seriam muito grandes
  36. taxa de variação no período de rotação
    • se for mais longo: a faixa de temperatura da superfície necessária para a vida não seria mantida
    • se menor: a faixa de temperatura da superfície necessária para a vida não seria mantida
  37. idade do planeta
    • se jovem demais: o planeta giraria rápido demais
    • se velho demais: o planeta giraria muito lentamente
  38. campo magnético
    • se mais forte: tempestades eletromagnéticas seriam muito graves; Poucos prótons dos raios cósmicos alcançariam a troposfera do planeta, o que inibiria a formação adequada de nuvens
    • se mais fraco: o escudo de ozônio seria inadequadamente protegido da radiação estelar e solar forte
  39. espessura da crosta
    • se mais espessa: muito oxigênio seria transferido da atmosfera para a crosta
    • se mais fino: a atividade vulcânica e tectônica seria muito grande
  40. albedo (razão entre a luz refletida e a quantidade total caindo na superfície)
    • se maior: a glaciação descontrolada se desenvolveria
    • se menor: efeito estufa descontrolado se desenvolveria
  41. taxa de colisão asteróide e cometa
    • se maior: muitas espécies se extinguiriam
    • se menos: a crosta seria muito empobrecida de materiais essenciais para a vida
  42. massa do corpo colidindo com a Terra primordial
    • se menor: a atmosfera da Terra seria muito espessa; lua seria muito pequena
    • se maior: a órbita e a forma da Terra seriam muito perturbadas
  43. momento do corpo colidindo com a Terra primordial
    • se antes: a atmosfera da Terra seria muito espessa; lua seria muito pequena
    • se mais tarde: o sol seria luminoso demais na época para uma vida avançada
  44. localização de colisão do corpo colidindo com a Terra primordial
    • se estiver perto demais para pastar: detritos insuficientes para formar lua grande; aniquilação inadequada da atmosfera primordial da Terra; transferência inadequada de elementos pesados ​​para a Terra
    • Se estiver muito perto do ponto morto: os danos da colisão seriam muito destrutivos para a vida futura sobreviver
  45. relação oxigênio / nitrogênio na atmosfera
    • se maior: as funções avançadas da vida prosseguiriam muito rapidamente
    • se menor: as funções avançadas da vida prosseguiriam muito lentamente
  46. nível de dióxido de carbono na atmosfera
    • se maior: efeito estufa descontrolado se desenvolveria
    • se menos: as plantas seriam incapazes de manter uma fotossíntese eficiente
  47. nível de vapor de água na atmosfera
    • se maior: efeito estufa descontrolado se desenvolveria
    • se menos: as chuvas seriam muito escassas para vida avançada na terra
  48. taxa de descarga elétrica atmosférica
    • se maior: ocorreria muita destruição de fogo
    • se menos: muito pouco nitrogênio seria fixado na atmosfera
  49. nível de ozônio na atmosfera
    • se maior: as temperaturas da superfície seriam muito baixas
    • se menor: a temperatura da superfície seria muito alta; haveria muita radiação uv na superfície
  50. quantidade de oxigênio na atmosfera
    • se maior: plantas e hidrocarbonetos queimariam muito facilmente
    • se menos: animais avançados teriam muito pouco para respirar
  51. quantidade de nitrogênio na atmosfera
    • se maior: excesso de buffer de oxigênio para respiração animal avançada; muita fixação de nitrogênio para suporte de diversas espécies vegetais
    • se menos: muito pouco buffer de oxigênio para respiração animal avançada; pouca fixação de nitrogênio para suporte de diversas espécies vegetais
  52. proporção de 40 K, 235.238 U, 232 Th em ferro para o planeta
    • se muito baixo: níveis inadequados de atividade tectônica e vulcânica das placas
    • se muito alto: radiação, terremotos e vulcões em níveis muito altos para vida avançada
  53. taxa de perda de calor interior
    • se muito baixo: energia inadequada para impulsionar os níveis necessários de atividade tectônica e vulcânica das placas
    • se muito alto: a atividade tectônica e vulcânica da placa é desligada muito rapidamente
  54. Atividade sísmica
    • se maior: muitas formas de vida seriam destruídas
    • se menos: os nutrientes no fundo do oceano a partir do escoamento do rio não seriam reciclados para os continentes através da tectônica; não seria liberado dióxido de carbono suficiente dos carbonatos
  55. atividade vulcânica
    • se menor: quantidades insuficientes de dióxido de carbono e vapor de água seriam devolvidos à atmosfera; mineralização do solo se tornaria muito degradada para a vida
    • se maior: vida avançada, pelo menos, seria destruída
  56. taxa de declínio na atividade tectônica
    • se mais lento: a vida avançada nunca pode sobreviver no planeta
    • se mais rápido: a vida avançada nunca pode sobreviver no planeta
  57. taxa de declínio na atividade vulcânica
    • se mais lento: a vida avançada nunca pode sobreviver no planeta
    • se mais rápido: a vida avançada nunca pode sobreviver no planeta
  58. época do nascimento da formação do continente
    • se muito cedo: o ciclo silicato-carbonato seria desestabilizado
    • se for tarde demais: o ciclo silicato-carbonato seria desestabilizado
  59. relação oceanos / continentes
    • se maior: a diversidade e a complexidade das formas de vida seriam limitadas
    • se menor: a diversidade e a complexidade das formas de vida seriam limitadas
  60. taxa de variação na proporção de oceanos para continentes
    • se menor: a vida avançada não terá a área de massa terrestre necessária
    • se maior: a vida avançada seria destruída pelas mudanças radicais
  61. distribuição global de continentes (para a Terra)
    • se demais no hemisfério sul: as diferenças sazonais seriam muito severas para a vida avançada
  62. frequência e extensão das eras glaciais
    • se menor: vales férteis, amplos e bem molhados, insuficientes, produzidos para formas de vida diversas e avançadas; ocorrem concentrações minerais insuficientes para uma vida diversificada e avançada
    • se maior: o planeta experimenta inevitavelmente o congelamento descontrolado
  63. mineralização do solo
    • se for muito pobre em nutrientes: a diversidade e a complexidade das formas de vida seriam limitadas
    • se rico em nutrientes: a diversidade e a complexidade das formas de vida seriam limitadas
  64. interação gravitacional com uma lua
    • se maior: os efeitos das marés nos oceanos, na atmosfera e no período de rotação seriam muito graves
    • se menor: mudanças na obliquidade orbital causariam instabilidades climáticas; o movimento de nutrientes e vida dos oceanos para os continentes e vice-versa seria insuficiente; campo magnético seria muito fraco
  65. Distância de Júpiter
    • se maior: muitas colisões de asteróides e cometas ocorreriam na Terra
    • se menos: a órbita da Terra se tornaria instável
  66. Massa de Júpiter
    • se maior: a órbita da Terra se tornaria instável
    • se menos: muitas colisões de asteróides e cometas ocorreriam na Terra
  67. deriva nas principais distâncias do planeta
    • se maior: a órbita da Terra se tornaria instável
    • se menos: muitas colisões de asteróides e cometas ocorreriam na Terra
  68. principais excentricidades do planeta
    • se maior: órbita do planeta com suporte de vida seria retirada da zona de suporte de vida
  69. principais instabilidades orbitais do planeta
    • se maior: órbita do planeta com suporte de vida seria retirada da zona de suporte de vida
  70. massa de Netuno
    • se for muito pequeno: objetos do cinturão de Kuiper insuficientes (asteróides além de Netuno) seriam espalhados para fora do sistema solar
    • se muito grande: ressonâncias caóticas entre os planetas gigantes gasosos ocorreriam
  71. Cinturão de Kuiper de asteróides (além de Netuno)
    • se não for suficientemente massivo: a órbita de Netuno permanece muito excêntrica, o que desestabiliza as órbitas de outros planetas do sistema solar
    • se for massivo demais: muitas ressonâncias e colisões caóticas ocorreriam no sistema solar
  72. distâncias de separação entre planetas terrestres internos
    • se for muito pequeno: órbitas de todos os planetas internos se tornarão instáveis ​​em menos de 100 milhões de milhões de anos
    • se for muito grande: órbitas dos planetas mais distantes dos planetas estelares se tornarão caóticas
  73. pressão atmosférica
    • se muito pequeno: a água líquida evapora com muita facilidade e se condensa com pouca frequência; a variação climática e climática seria extrema demais; pulmões não funcionarão
    • se for muito grande: a água líquida não evaporará com facilidade suficiente para a vida na terra; luz solar insuficiente atinge a superfície planetária; radiação uv insuficiente atinge a superfície planetária; variação insuficiente de clima e clima; pulmões não funcionarão
  74. transparência atmosférica
    • se menor: faixa insuficiente de comprimentos de onda da radiação solar atinge a superfície planetária
    • se maior: uma faixa muito ampla de comprimentos de onda da radiação solar atinge a superfície planetária
  75. magnitude e duração do ciclo das manchas solares
    • se menor ou menor: variação insuficiente do clima e do tempo
    • se maior ou mais longo: a variação no clima e no tempo seria demais
  76. relevo continental
    • se menor: variação insuficiente do clima e do tempo
    • se maior: variação no clima e no tempo seria demais
  77. quantidade de cloro na atmosfera
    • se menor: taxas de erosão, acidez de rios, lagos e solos e certas taxas metabólicas seriam insuficientes para a maioria das formas de vida
    • se maior: taxas de erosão, acidez de rios, lagos e solos e certas taxas metabólicas seriam muito altas para a maioria das formas de vida
  78. quantidade de ferro nos oceanos e solos
    • se menor: quantidade e diversidade de vida seriam muito limitadas para sustentar uma vida avançada; se muito pequeno, nenhuma vida seria possível
    • se maior: envenenamento por ferro de pelo menos vida avançada resultaria
  79. quantidade de ozônio troposférico
    • se menor: limpeza insuficiente de smog bioquímico resultaria em
    • se maior: falência respiratória de animais avançados, produção reduzida de culturas e destruição de espécies sensíveis ao ozônio
  80. quantidade estratosférica de ozônio
    • se menor: muita radiação uv atinge a superfície do planeta, causando câncer de pele e menor crescimento de plantas
    • se maior: pouca radiação uv atinge a superfície do planeta, causando menor crescimento das plantas e produção insuficiente de vitaminas para os animais
  81. quantidade de ozônio mesosférico
    • se menor: circulação e química dos gases mesosféricos, perturbadas a ponto de perturbar a abundância relativa de gases essenciais da vida em baixa atmosfera
    • se maior: circulação e química dos gases mesosféricos perturbadas a ponto de perturbar a abundância relativa de gases essenciais da vida na atmosfera mais baixa
  82. quantidade e extensão de incêndios florestais e de capim
    • se menor: os inibidores de crescimento nos solos se acumulariam; a nitrificação do solo seria insuficiente; produção insuficiente de carvão vegetal para retenção adequada de água no solo e absorção de certos inibidores de crescimento
    • se maior: muitas formas de vida animal e vegetal seriam destruídas
  83. quantidade de sulfer do solo
    • se menor: as plantas se tornam deficientes em certas proteínas e morrem
    • se maior: as plantas morrem por toxinas de enxofre; a acidez do solo e do solo se tornará grande demais para a vida; ciclos de nitrogênio serão perturbados
  84. relação biomassa / infall cometa
    • se menor: gases de efeito estufa se acumulam, provocando aumento da temperatura da superfície descontrolada
    • se maior: os gases de efeito estufa diminuem, provocando um congelamento descontrolado
  85.  densidade de quasares
    • se menor: produção e ejeção insuficientes de poeira cósmica no meio intergaláctico; formação estelar em curso impedida; radiação mortal desbloqueada
    • se maior: muita poeira cósmica se forma; muitas estrelas se formam tarde demais, interrompendo a formação de uma estrela do tipo solar no momento certo e nas condições certas para a vida
  86.  densidade de galáxias gigantes no universo primitivo
    • se menor: metais insuficientes ejetados para o meio intergaláctico, privando as futuras gerações de estrelas da abundância de metais necessárias para um planeta de suporte à vida no momento certo na história cósmica
    • se maior: uma quantidade muito grande de metais ejetados para o meio intergaláctico, proporcionando às futuras estrelas uma metalicidade muito alta para um planeta de suporte à vida no momento certo na história cósmica
  87.  densidade de estrelas gigantes na galáxia
    • se menor: produção insuficiente de poeira galáctica; formação estelar em curso impedida; radiação mortal desbloqueada
    • se maior: muita poeira galáctica se forma; muitas estrelas se formam muito cedo, interrompendo a formação de uma estrela do tipo solar no momento certo e nas condições certas para a vida
  88.  taxa de carga sedimentar nas zonas de subducção da crosta
    • se menor: poucas instabilidades para acionar o movimento das placas da crosta no manto, interrompendo assim o ciclo de carbonato-silicato
    • se maior: instabilidades demais acionando muitas placas crustais para descer para o manto, interrompendo assim o ciclo de carbonato-silicato
  89. transporte de calor poleward na atmosfera do planeta
    • se menor: perturbação de climas e ecossistemas; menor biomassa e diversidade de espécies; diminuição da atividade das tempestades e precipitação
    • se maior: rompimento de climas e ecossistemas; menor biomassa e diversidade de espécies; aumento da atividade de tempestades
  90. abundância de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos na nebulosa solar
    • se menor: produção inicial insuficiente de asteróides que impediria um planeta como a Terra de receber a entrega adequada de elementos pesados ​​e material carbonáceo por toda a vida, vida avançada em particular
    • se maior: a produção precoce de asteróides seria muito grande, resultando em muitos eventos de colisão atingindo um planeta surgindo da nebulosa que poderia sustentar a vida
  91. absorção de fósforo e ferro por formações de ferro com faixas
    • se menor: a superprodução de cianobactérias consumiria muito dióxido de carbono e liberaria muito oxigênio na atmosfera da Terra, supercompensando o aumento da luminosidade do Sol (muita redução na eficiência atmosférica da estufa)
    • se maior: a subprodução de cianobactérias consumiria muito pouco dióxido de carbono e liberaria muito pouco oxigênio na atmosfera da Terra, subestimando assim o aumento da luminosidade do Sol (redução muito pequena na eficiência atmosférica da estufa)
  92. recozimento de poeira de silicato por choques nebulares
    • se for pouco: planetas rochosos com placas tectônicas eficientes não podem formar
    • se demais: muitas colisões no sistema planetário .; instabilidades orbitais muito graves no sistema planetário
  93. tamanho da protuberância central galáctica
    • se menor: infusão inadequada de gás e poeira nos braços espirais, impedindo a formação de estrelas do tipo solar nos locais certos, com atraso suficiente na história da galáxia
    • se maior: a radiação da região protuberante mataria a vida no planeta de suporte à vida
  94. massa total de asteróides do cinturão de Kuiper
    • se menor: a órbita de Netuno não seria adequadamente circularizada
    • se maior: instabilidades gravitacionais muito graves geradas no sistema solar externo
  95. nível de atividade magnética solar
    • se maior: as flutuações da luminosidade solar serão muito grandes
  96. número de hipernovas
    • se menor: muito pouco nitrogênio é produzido no universo primitivo, portanto, não é possível obter os tipos de estrelas e planetas mais tarde no universo necessários para a vida
    • se maior: muito nitrogênio é produzido no universo primitivo, portanto, não pode obter os tipos de estrelas e planetas mais tarde no universo necessários para a vida
  97. momento da produção de hipnovas
    • se muito cedo: as galáxias se tornam muito ricas em metal muito rapidamente para tornar estrelas e planetas adequados para sustentar a vida no momento certo
    • se for tarde demais: metais insuficientes disponíveis para produzir estrelas e planetas com rapidez suficiente para sustentar a vida
  98. massas de estrelas que se tornam hipernovas
    • se não for suficientemente massivo: metais insuficientes são ejetados para o meio interestelar; isto é, não há metais suficientes disponíveis para as futuras gerações estelares para tornar estrelas e planetas adequados para o sustento da vida
    • se for massivo demais: todos os metais produzidos pelas erupções da hipernova colapsam nos buracos negros resultantes das erupções; isto é, nenhum dos metais está disponível para as futuras gerações de estrelas
  99. quantidade de geobacteraceae
    • se menor ou inexistente: os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos se acumulam no ambiente superficial, contaminando o ambiente para outras formas de vida
  100. densidade de anãs marrons
    • se muito baixo: muitas estrelas de baixa massa são produzidas, o que perturbará as órbitas planetárias
    • se muito alto: interrupção das órbitas planetárias
  101. quantidade de bactérias foto-heterotróficas aeróbicas
    • se menor: reciclagem inadequada de carbono orgânico e inorgânico nos oceanos
  102. precipitação média de precipitação
    • se muito pequeno: abastecimento de água inadequado para a vida em terra; erosão inadequada das massas de terra para sustentar o ciclo de carbonato-silicato .; erosão inadequada para sustentar certas espécies da vida oceânica que são vitais para a existência de toda a vida
    • se for grande demais: erosão excessiva de massas terrestres que perturba o ciclo de carbonato-silicato e acelera a extinção de muitas espécies de vida vitais para a existência de toda a vida
  103. variação e época da precipitação média das chuvas
    • se for muito pequeno ou no momento errado: taxas de erosão que perturbam o ciclo de carbonato-silicato e não conseguem ajustar adequadamente a atmosfera do planeta para aumentar a luminosidade do sol
    • se for muito grande ou no momento errado: taxas de erosão que perturbam o ciclo de carbonato-silicato e falham em ajustar a atmosfera do planeta para aumentar a luminosidade do sol
  104. inclinação média ou relevo das massas continentais
    • se muito pequeno: erosão inadequada
    • se muito grande: muita erosão
  105. distância do buraco negro mais próximo
    • se muito perto: a radiação será mortal para toda a vida
  106. taxa de absorção de planetas e planetários por estrela-mãe
    • se muito baixo: perturba a luminosidade do sol e a estabilidade da luminosidade do sol a longo prazo
    • se muito alto: perturba as órbitas dos planetas do sistema solar interno; perturba a luminosidade do sol e a estabilidade da luminosidade do sol a longo prazo
  107. capacidade de absorção de água do manto inferior do planeta
    • se muito baixo: muita água na superfície do planeta; sem massas terrestres continentais; pouca atividade tectônica de placas; ciclo de carbonato-silicato interrompido
    • se muito alto: pouca água na superfície do planeta; pouca atividade tectônica de placas; ciclo de carbonato-silicato interrompido
  108. taxa de dispersão de gás por estrelas acompanhantes, ondas de choque e expansão de nuvens moleculares no aglomerado de estrelas nascidas pelo Sol
    • se muito baixo: muitas estrelas se formam nas proximidades do Sol, o que perturbará as órbitas planetárias e causará um problema de radiação; muito gás e poeira nas proximidades do sistema solar
    • se muito alto: não há condensação suficiente de gás e poeira para o Sol e seus planetas se formarem; gás e poeira insuficientes nas proximidades do sistema solar
  109. taxa de decaimento de partículas frias de matéria escura
    • se for muito baixo: produção insuficiente de galáxias esferoidais anãs, o que limitará a manutenção de galáxias espirais grandes de vida longa
    • se muito alto: muitas galáxias esferoidais anãs produzidas, o que fará com que as galáxias espirais sejam instáveis ​​demais
  110. razão entre a massa interna escura do halo e a massa estelar da galáxia
    • se for muito baixa: a distância da corotação é muito próxima do centro da galáxia, o que expõe o planeta de suporte à vida a muita radiação e muitos distúrbios gravitacionais
    • se for muito alto: a distância da corotação está muito longe do centro da galáxia, onde a abundância de elementos pesados ​​é muito escassa para formar planetas rochosos
  111. taxa de rotação de estrelas
    • se muito lento: um campo magnético muito fraco, resultando em proteção insuficiente dos raios cósmicos para o planeta de suporte à vida
    • se rápido demais: emissão cromosférica excessiva causando problemas de radiação no planeta de suporte à vida
  112. taxa de explosões nas proximidades de raios gama
    • se muito baixo: extinções em massa insuficientes da vida para criar novos habitats para espécies mais avançadas
    • se muito alto: muitas extinções em massa da vida para a manutenção de espécies de vida longa
  113. densidade de partículas do aerossol emitida pelas florestas
    • se muito baixo: muito pouca condensação das nuvens que reduz as chuvas, reduz o albedo (refletividade planetária) e perturba o clima em escala global
    • se muito alto: muita condensação de nuvens que aumenta a precipitação, eleva o albedo (refletividade planetária) e perturba o clima em escala global; muita poluição
  114. densidade de partículas interestelares e interplanetárias de poeira nas proximidades do planeta de suporte à vida
    • se muito baixo: entrega inadequada de materiais essenciais à vida
    • se muito alto: perturba o clima radicalmente no planeta de suporte à vida
  115. espessura do limite do meio do manto
    • se for muito fino: os redemoinhos de convecção do manto se tornam muito fortes; atividade tectônica e produção de silicato se tornam muito grandes
    • se muito espessa: os redemoinhos da convecção do manto ficam muito fracos; atividade tectônica e produção de silicato se tornam muito pequenas
  116. densidade de aglomerados de galáxias
    • se for muito baixo: quantidade insuficiente de galáxias anãs, gasosas e anãs em uma galáxia grande que eventualmente pode formar um planeta que sustenta a vida
    • se for muito alto: influências gravitacionais de galáxias próximas perturbarão a órbita da estrela que possui um planeta que pode ser suprido pela vida, expondo-o à radiação mortal ou a perturbações gravitacionais de outras estrelas da galáxia
  117. taxa de formação de estrelas no bairro solar nos últimos 4 bilhões de anos
    • se muito alto: a vida na Terra será exposta a radiação mortal ou órbita da Terra será perturbada
  118. variação na taxa de formação de estrelas no bairro solar nos últimos 4 bilhões de anos
    • se muito alto: a vida na Terra será exposta a radiação mortal ou órbita da Terra será perturbada
  119. eventos de explosão de raios gama
    • se for insuficiente: produção insuficiente de cobre, escândio, titânio e zinco
    • se muitos: muitos eventos de extinção em massa
  120. luminosidade do raio cósmico da Via Láctea:
    • se muito baixo: produção insuficiente de boro
    • se muito alto: a vida se estende para uma vida avançada muito curta; muita destruição da camada de ozônio do planeta
  121. turbulência do ar na troposfera
    • se muito baixo: formação inadequada de gotas de água
    • se muito grande: a distribuição das chuvas será muito desigual
  122. superventos cósmicos primordiais
    • se uma intensidade muito baixa: formação estelar inadequada no final da história cósmica
    • se for muito intensa: formação inadequada de estrelas no início da história cósmica
  123. quasares para fumantes
    • se muito poucos: produção de poeira primordial inadequada para estimular a formação de estrelas no futuro
    • se for demais: a formação inicial de estrelas será muito vigorosa, resultando em poucas estrelas e planetas capazes de formar tarde na história cósmica
  124. quantidade de fitoplâncton
    • se estiver muito baixo; produção inadequada de oxigênio molecular e produção inadequada de aerossóis de sulfato marítimo (núcleos de condensação de nuvens); consumo inadequado de dióxido de carbono
    • se muito grande: muito resfriamento das águas da superfície do mar e possivelmente muita redução da quantidade de ozônio na estratosfera mais baixa; muito consumo de dióxido de carbono
  125. quantidade de organismos marinhos emissores de iodocarbonetos
    • se muito baixo: cobertura inadequada de nuvens marinhas; ciclagem inadequada da água
    • se muito grande: muita cobertura marinha de nuvens; muito resfriamento da superfície da Terra
  126. produção de plumas de manto
    • se muito baixo: taxa de produção vulcânica e insular inadequada
    • se muito grande: muita destruição e perturbação atmosférica de erupções vulcânicas
  127. quantidade de magnetares (estrelas proto-nêutrons com campos magnéticos muito fortes)
    • se houver muito pouco durante a história da galáxia: quantidades inadequadas de elementos do processo r são sintetizadas
    • se muitos durante a história da galáxia: uma quantidade excessiva de elementos do processo r é sintetizada; grande produção de raios cósmicos de alta energia
  128. frequência de explosões de raios gama na galáxia
    • se muito baixo: produção inadequada de cobre, titânio e zinco; eventos insuficientes de extinção em massa em todo o hemisfério
    • se muito grande: muita produção de cobre e zinco; muitos eventos de extinção em massa em todo o hemisfério
  129. campo magnético da estrela pai
    • se for muito baixo: o vento solar e a magnetosfera solar não serão adequados para impedir uma quantidade significativa de raios cósmicos
    • se muito grande: um fluxo de raios-x muito alto será gerado
  130. quantidade de migração externa de Netuno
    • se muito baixo: a massa total de objetos do Cinturão de Kuiper será muito grande; O Cinturão de Kuiper estará muito perto do sol; A órbita de Netuno não será circular o suficiente e distante o suficiente para garantir a estabilidade a longo prazo das órbitas dos planetas do sistema solar interno
    • se muito grande: o Cinturão de Kuiper estará muito distante e conterá pouca massa para desempenhar um papel significativo na contribuição de voláteis para o planeta de suporte à vida ou na contribuição para eventos de extinção em massa; Netuno estará muito distante para contribuir para a estabilidade a longo prazo das órbitas dos planetas do sistema solar interno
  131. Valor Q (rigidez) da Terra durante sua história inicial
    • se muito baixo: a obliquidade final da Terra se torna muito alta; frenagem rotacional da Terra muito baixa
    • se muito grande: a obliquidade final da Terra se torna muito baixa; frenagem rotacional da Terra é muito grande
  132. distância da estrela-mãe do círculo de corotação da galáxia
    • se muito próximo: uma forte ressonância de movimento médio desestabilizará a órbita galáctica da estrela-mãe
    • se for longe demais: o sistema planetário experimentará muitos cruzamentos dos braços espirais
  133. quantidade média de gás infundida nos primeiros aglomerados de estrelas do universo
    • se for muito pequeno: o vento forma estrelas supergigantes nos aglomerados, que os separa, o que, por sua vez, impede ou atrasa seriamente a formação de galáxias
    • se for muito grande: a formação inicial de estrelas, a produção de buracos negros e a formação de galáxias serão vigorosas demais para que as galáxias em espiral persistam por tempo suficiente para que os tipos certos de estrelas e planetas se formem para que a vida seja possível
  134. frequência de impactos tardios de grandes asteróides e cometas
    • se muito baixo: muito poucos eventos de extinção em massa; depósitos inadequados de minério rico em metais ferrosos e pesados
    • se muitos: muitos eventos de extinção em massa; muito radical de distúrbios da crosta do planeta
  135. nível de turbulência supersônica no universo infantil
    • se for muito baixa: as primeiras estrelas serão do tipo e quantidade erradas para produzir a mistura necessária de elementos, gás e poeira, de modo que uma futura estrela e sistema planetário capaz de sustentar a vida apareça no momento certo na história cósmica
    • se for muito alta: as primeiras estrelas serão do tipo e quantidade erradas para produzir a mistura necessária de elementos, gás e poeira, de modo que uma futura estrela e sistema planetário capaz de sustentar a vida apareça no momento certo na história cósmica
  136. densidade numérica das primeiras estrelas sem metal a se formar no universo
    • se muito baixo: produção inicial inadequada de elementos pesados ​​e poeira por essas estrelas para promover as futuras formações estelares necessárias que levarão a um possível corpo de suporte à vida
    • se for demais: super ventos soprados por essas estrelas impedirão ou atrasarão seriamente a formação dos tipos de galáxias que poderiam produzir um futuro corpo de suporte à vida
  137. tamanho do sumidouro de carbono no manto profundo do planeta
    • se muito pequeno: o nível de dióxido de carbono na atmosfera do planeta será muito alto
    • se muito grande: o nível de dióxido de carbono na atmosfera do planeta será muito baixo; biomassa será muito pequena
  138. taxa de crescimento do esferóide central para a galáxia
    • se muito pequeno: fluxo inadequado de elementos pesados ​​para o disco espiral; desvio externo inadequado de estrelas das partes interna para a central do disco espiral
    • se muito grande: disco espiral inadequado de estrelas tardias
  139. quantidade de gás infalente no núcleo central da galáxia
    • se muito pouco: a protuberância nuclear da galáxia se torna muito grande
    • se demais: a protuberância nuclear da galáxia falha em se tornar grande o suficiente
  140. nível de resfriamento de gás que infala no núcleo central da galáxia
    • se for muito baixo: o volume nuclear da galáxia se torna muito grande
    • se muito alto: a protuberância nuclear da galáxia não se torna grande o suficiente
  141. razão de moléculas duplas de água (H 2 O) 2 para moléculas únicas de água, H 2 O, na troposfera
    • se muito baixo: formação inadequada de gotas de chuva; precipitação inadequada
    • se muito alto: distribuição muito desigual da chuva na superfície do planeta
  142. abundância de elementos pesados ​​no meio intracluster para o universo primitivo
    • se muito baixo: muita formação estelar muito cedo na história cósmica; nenhum organismo de suporte à vida se formará ou se formará no dente e / ou no lugar errado
    • se muito alto: formação estelar inadequada no início da história cósmica; nenhum organismo de suporte à vida se formará ou se formará no dente e / ou no lugar errado
  143. quantidade de voláteis no planeta do tamanho da Terra e na zona habitável
    • se muito baixo: ingredientes inadequados para sustentar a vida
    • se muito alto: não há possibilidade de compensar as alterações de luminosidade na estrela
  144. pressão do meio intra-galáxia-cluster
    • se muito baixo: formação inadequada de estrelas explode em galáxias grandes
    • se muito alto: a atividade estelar de formação estelar em galáxias grandes é muito agressiva, muito frequente e muito cedo na história cósmica
  145. nível de subestrutura espiral na galáxia espiral
    • se for muito baixo: a galáxia não terá idade suficiente para sustentar vida avançada
    • se for muito alto: o caos gravitacional perturbará a órbita do sistema planetário sobre o centro da galáxia e, assim, exporá o sistema planetário a radiações mortais e / ou distúrbios causados ​​por nuvens de gás ou poeira
  146. massa do planeta gigante de gás externo em relação ao planeta gigante de gás interno
    • se for maior que 50%: as ressonâncias gerarão órbitas planetárias não coplanares que desestabilizarão a órbita do planeta de suporte à vida
    • se for inferior a 25%: a massa do planeta gigante de gás interno necessária para proteger adequadamente o planeta de suporte à vida de colisões asteroidais e de cometas seria grande o suficiente para perturbar gravitacionalmente a órbita do planeta de suporte à vida
  147. desencadeamento de eventos de El Nino por erupções vulcânicas explosivas
    • se muito raramente: distribuição desigual das chuvas sobre as massas continentais
    • se muito frequente: distribuição desigual das chuvas sobre as massas continentais; muita destruição pelos eventos vulcânicos; queda na temperatura média da superfície global
  148. janela de tempo entre o pico da produção de querogênio e o surgimento de uma vida inteligente
    • se for muito curto: tempo inadequado para processos geológicos e químicos transformarem o querogênio em reservas de petróleo suficientes para lançar e sustentar a civilização avançada
    • se for muito longo: muitas reservas de petróleo serão decompostas por atividade bacteriana em metano
  149. janela de tempo entre a produção de cisternas na crosta do planeta que pode coletar e armazenar efetivamente petróleo e gás natural e a aparência de vida inteligente
    • se for muito curto: tempo inadequado para coletar e armazenar quantidades significativas de petróleo e gás natural
    • se for muito longo: muitos vazamentos se formam nas cisternas que levam à dissipação de petróleo e gás
  150. eficiência dos fluxos de fundição de silicato, fluidos hidrotermais hipersalinos e vapores hidrotérmicos na crosta superior
    • se muito baixo: cristalização e precipitação inadequadas de minérios metálicos concentrados que podem ser explorados pela vida inteligente para lançar civilização e tecnologia
    • se for muito alto: o ambiente da crosta se torna instável demais para a manutenção da civilização
  151. quantidade de poeira formada nos ejetos das supernovas da população III
    • se for muito baixo: o número e a faixa de massa das estrelas da População II não serão grandes o suficiente para que um planeta de suporte à vida se forme no momento e local certos no cosmos; As estrelas da População II não se formarão logo após o aparecimento das estrelas da População III
    • se for muito alto: a formação de estrelas na População II ocorrerá muito cedo e será agressiva demais para que um planeta de suporte à vida se forme no momento e local certos no cosmos
  152. quantidade e proximidade de eventos de explosão de raios gama em relação à nebulosa solar emergente
    • se for insuficiente e distante demais: enriquecimento inadequado da nebulosa solar com cobre, titânio e zinco
    • se for demais e próximo demais: muito enriquecimento da nebulosa solar com cobre e zinco; muita destruição da nebulosa solar
  153. fluxo de calor através do manto do planeta a partir de deterioração radiométrica no núcleo do planeta
    • se muito baixo: o manto será muito viscoso e, portanto, a convecção do manto não será vigorosa o suficiente para conduzir as tectônicas de placas no nível preciso para compensar as mudanças na luminosidade da estrela
    • se muito alto: o manto não será viscoso o suficiente e, portanto, a convecção do manto será muito vigorosa, resultando em um nível muito alto de atividade tectônica de placas para compensar perfeitamente as mudanças na luminosidade da estrela
  154. absorção de água pelo manto do planeta
    • se muito baixo: o manto será muito viscoso e, portanto, a convecção do manto não será vigorosa o suficiente para conduzir as tectônicas de placas no nível preciso para compensar as mudanças na luminosidade da estrela
    • se muito alto: o manto não será viscoso o suficiente e, portanto, a convecção do manto será muito vigorosa, resultando em um nível muito alto de atividade tectônica de placas para compensar perfeitamente as mudanças na luminosidade da estrela


  1. RE Davies e RH Koch, “Todo o Universo Observado Contribuiu para a Vida”,  Transações Filosóficas da Sociedade Real de Londres, Série B, 334  (1991), pp. 391-403.
  2. Micheal H. Hart, “Zonas habitáveis ​​sobre estrelas principais de sequência”  , Icarus, 37  (1979), pp. 351-357.
  3. William R. Ward, “Comentários sobre a estabilidade a longo prazo da oliquidade da Terra”  , Icarus, 50  (1982), pp. 444-448.
  4. Carl D. Murray, “Seasoned Travellers”  , Nature, 361  (1993), p. 586-587.
  5. Jacques Laskar e P. Robutel, “A obliquidade caótica dos planetas”  , Nature, 361  (1993), pp. 608-612.
  6. Jacques Laskar, F. Joutel e P. Robutel, “Estabilização da Obliquidade da Terra pela Lua”  , Nature, 361  (1993), pp. 615-617.
  7. HE Newsom e SR Taylor, “Implicações geoquímicas da formação da Lua por um único impacto gigante”  , Nature, 338  (1989), pp. 29-34.
  8. WM Kaula, “Venus: A Contrast in Evolution to Earth”  , Science, 247  (1990), PP. 1191-1196.
  9. Robert T. Rood e James S. Trefil,  estamos sozinhos? A Possibilidade de Civilizações Extraterrestres  (New York: Scribner’s Sons, 1983).
  10. John D. Barrow e Frank J. Tipler,  O Princípio Cosmológico Antrópico   (Nova York: Oxford University Press, 1986), pp. 510-575.
  11. Don L. Anderson, “A Terra como um Planeta: Paradigmas e Paradoxos”  , Science, 22 3  (1984), pp. 347-355.
  12. IH Campbell e SR Taylor, “Sem água, sem granito – sem oceanos, sem continentes”,  Geophysical Research Letters, 10  (1983), pp. 1061-1064.
  13. Brandon Carter, “O Princípio Antrópico e Suas Implicações para a Evolução Biológica”,  Transações Filosóficas da Sociedade Real de Londres, Série A, 310  (1983), pp. 352-363.
  14. Allen H. Hammond, “A singularidade do clima da Terra”  , Science, 187  (1975), p. 245
  15. Owen B. Toon e Steve Olson, “The Warm Earth”,  Science 85, outubro. (1985), pp. 50-57.
  16. George Gale, “O Princípio Antrópico”,  Scientific American, 245, No. 6  (1981), pp. 154-171.
  17. Hugh Ross,  Gênesis Um: Uma Perspectiva Científica.  (Pasadena, Califórnia: Razões para acreditar, 1983), pp. 6-7.
  18. Ron Cottrell, Ron,  A Notável Nave Espacial Terra.  (Denver, Colorado: Accent Books, 1982).
  19. D. Ter Harr, “Sobre a Origem do Sistema Solar”,  Revisão Anual de Astronomia e Astrofísica, 5  (1967), pp. 267-278.
  20. George Greenstein,  O universo simbiótico.  (Nova York: William Morrow, 1988), pp. 68-97.
  21. John M. Templeton, “Deus se revela no astronômico e no infinitesimal”,  Journal of the American Scientific Affiliation, dezembro de 1984  (1984), pp. 196-198.
  22. Michael H. Hart, “A evolução da atmosfera da Terra”  , Ícaro, 33  (1978), pp. 23-39.
  23. Tobias Owen, Robert D. Cess e V. Ramanathan, ”  Estufa de CO 2 aprimorada para compensar a luminosidade solar reduzida na Terra primitiva”  , Nature, 277  (1979), pp. 640-641.
  24. John Gribbin, “A Origem da Vida: Lucky Break da Terra”,  Science Digest, maio de 1983  (1983), pp. 36-102.
  25. PJE Peebles e Joseph Silk, “Um Livro Cósmico de Fenômenos”  , Nature, 346  (1990), pp. 233-239.
  26. Michael H. Hart, “Evolução Atmosférica, a Equação de Drake e DNA: Vida Esparsa em um Universo Infinito”, em  Cosmologia e Filosofia Filosófica,  editado por John Leslie (Nova York: Macmillan, 1990), pp. 256-266.
  27. Stanley L. Jaki,  Deus e os Cosmologistas  (Washington, DC: Regnery Gateway, 1989), pp. 177-184.
  28. R. Monastersky, p. “A rotação rápida manteve a terra primitiva do congelamento”,  Science News, 143  (1993), p. 373
  29. Os editores, “Our Friend Jove”,  Discover.  (Julho de 1993) p. 15
  30. Jacques Laskar, “Caos em grande escala no sistema solar”,  Astronomy and Astrophysics, 287  (1994), pp. 109-113.
  31. Richard A. Kerr, “A Nova Diversidade do Sistema Solar”  , Science, 265  (1994), pp. 1360-1362.
  32. Richard A. Kerr, “Quando a Planetologia Comparada atingiu seu alvo”,  Science 265  (1994), p. 1361
  33. WR Kuhn, JCG Walker e HG Marshall, “O Efeito na Temperatura da Superfície da Terra de Variações na Taxa de Rotação, Formação Continente, Luminosidade Solar e Dióxido de Carbono”,  Journal of Geophysical Research, 94  (1989), pp. 11,129-131,136.
  34. Gregory S. Jenkins, Hal G. Marshall e WR Kuhn, “Clima Pré-Cambriano: Os Efeitos da Área Terrestre e da Taxa de Rotação da Terra”,  Journal of Geophysical Research, Série D, 98  (1993), pp. 8785-8791.
  35. KJ Zahnle e JCG Walker, “Um comprimento de dia constante durante a era pré-cambriana?”  Precambrian Research, 37  (1987), pp. 95-105.
  36. MJ Newman e RT Rood, “Implicações da evolução solar para a atmosfera primitiva da Terra”  , Science, 198  (1977), páginas 1035-1037.
  37. JCG Walker e KJ Zahnle, “Marés nodais lunares e distância da lua durante o pré-cambriano”  , Nature, 320  (1986), pp. 600-602.
  38. JF Kasting e JB Pollack, “Efeitos de altos  níveis de CO 2 nas temperaturas da superfície e no estado de oxidação atmosférica da Terra primitiva”,  Journal of Atmospheric Chemistry, 1  (1984), pp. 403-428.
  39. HG Marshall, JCG Walker e WR Kuhn, “Mudança Climática a Longo Prazo e o Ciclo Geoquímico de Carbono”,  Journal of Geophysical Research, 93  (1988), pp. 791-801.
  40. Pieter G. van Dokkum, et al., “Uma alta fração de fusão no Rich Cluster MS 1054-03 em z = 0,83: evidência direta para a formação hierárquica de galáxias massivas”,  Astrophysical Journal Letters, 520  (1999), pp. L98.
  41. Anatoly Klypin, Andrey V. Kravtsov e Octavio Valenzuela, “Onde estão os satélites galácticos ausentes?”  Astrophysical Journal, 522  (1999), pp. 82-92.
  42. Roland Buser, “A formação e evolução inicial da Via Láctea”  , Science, 287  (2000), pp. 69-74.
  43. Robert Irion, “Um fim esmagador para a nossa galáxia”  , Science, 287  (2000), pp. 62-64.
  44. DM Murphy, et al., “Influência do sal marinho nas propriedades radiativas do aerossol na camada de fronteira marinha do oceano sul,  Nature, 392  (1998), pp. 62-65.
  45. Neil F. Comins,  e se a lua não existisse?  (Nova York: HarperCollins, 1993), pp.2-8, 53-65.
  46. Hugh Ross, “Atualização da origem lunar”,  Facts & Faith,  v. 9, n. 1 (1995), pp. 1-3.
  47. Jack J. Lissauer, “Não é fácil fazer a lua”,  Nature 389  (1997), pp. 327-328.
  48. Sigeru Ida, Robin M. Canup e Glen R. Stewart, “Acreção Lunar de um Disco Gerado por Impacto”,  Nature 389  (1997), pp. 353-357.
  49. Louis A. Codispoti, “The Limits to Growth”,  Nature 387  (1997), pp. 237.
  50. Kenneth H. Coale, “Um maciço PhytoPlankton Bloom induzido por uma experiência de fertilização em ferro em escala de ecossistema no Oceano Pacífico Equatorial”,  Nature 383  (1996), pp. 495-499.
  51. P. Jonathan Patchett, “Scum of the Earth Afinal”,  Nature 382  (1996), p. 758
  52. William R. Ward, “Comentários sobre a estabilidade a longo prazo da oliquidade da Terra”,  Icarus 50  (1982), pp. 444-448.
  53. Carl D. Murray, “Seasoned Travellers”  , Nature, 361  (1993), pp. 586-587.
  54. Jacques Laskar e P. Robutel, “A obliquidade caótica dos planetas”  , Nature, 361  (1993), pp. 608-612.
  55. Jacques Laskar, F. Joutel e P. Robutel, “Estabilização da Obliquidade da Terra pela Lua”  , Nature, 361  (1993), pp. 615-617.
  56. SH Rhie, et al., “On Planetary Companions to the MACHO 98-BLG-35 Microlens Star”,  Astrophysical Journal, 533  (2000), pp. 378-391.
  57. Ron Cowen, “Menos maciço que Saturno?”  Science News, 157  (2000), pp. 220-222.
  58. Hugh Ross, “Planet Quest – Um Sucesso Recente”  , Connections,  vol. 2, n. 2 (2000), pp. 1-2.
  59. G. Gonzalez, “Análises Espectroscópicas das Estrelas Pais de Sistemas Planetários Extrasolares”,  Astronomy & Astrophysics  334 (1998): pp. 221-238.
  60. Guillermo Gonzalez, “Novos planetas prejudicam as chances de ETI”,  Facts & Faith,  vol. 12, n. 4 (1998), pp. 2-4.
  61. Os editores, “Os espaços interestelares vagos”  , Discover,  abril de 1996, pp. 18, 21.
  62. Theodore P. Snow e Adolf N. Witt, “O orçamento interestelar de carbono e o papel do carbono na poeira e nas grandes moléculas”,  Science 270  (1995), pp. 1455-1457.
  63. Richard A. Kerr, “Os dados revisados ​​do Galileo  deixam Júpiter misteriosamente seco”  , Science, 272 (1996), pp. 814-815.
  64. Adam Burrows e Jonathan Lumine, “Questões Astronômicas de Origem e Sobrevivência”,  Nature 378  (1995), p. 333
  65. George Wetherill, “Quão Especial é Júpiter?”  Nature 373  (1995), p. 470
  66. B. Zuckerman, T. Forveille e J. H. Kastner, “Inibição da formação de planetas gigantes pelo esgotamento rápido de gases em torno de estrelas jovens”,  Nature 373  (1995), pp. 494-496.
  67. Hugh Ross, “Nosso Sistema Solar, o Campeão dos Pesos Pesados”,  Facts & Faith, v. 10, n. 2  (1996), p. 6
  68. Guillermo Gonzalez, “O sistema solar salta na faixa certa para a vida”,  Facts & Faith, v. 11, n. 1  (1997), pp. 4-5.
  69. CR Brackenridge, “Efeitos paleoambientais terrestres de uma supernova tardia da era quaternária”  , Icarus, vol. 46  (1981), pp. 81-93.
  70. MA Ruderman, “Possíveis conseqüências de explosões próximas de supernovas para o ozônio atmosférico e a vida terrestre”  , Science, vol. 184  (1974), pp. 1079-1081.
  71. GC Reid  et al. , “Efeitos de eventos intensos de ionização estratosférica” , Nauture, vol. 275  (1978), pp. 489-492.
  72. B. Edvardsson  et al. , “A Evolução Química do Disco Galáctico. I. Análise e Resultados, ”  Astronomy & Astrophysics, vol. 275  (1993), pp. 101-152.
  73. JJ Maltese  et al. , “Modulação Periódica do Fluxo de Cometas da Nuvem de Oort pela Maré Galáctica Adiabaticamente Mudada”  , Icarus, vol. 116  (1995), pp 255-268.
  74. Paul R. Renne, et al., “Sincronia e relações causais entre a crise de limites Permiano-Triássicos e o vulcanismo de inundação na Sibéria”  , Science, 269  (1995), pp. 1413-1416.
  75. Hugh Ross, “Sparks in the Deep Freeze”,  Facts & Faith, v. 11, n. 1  (1997), pp. 5-6.
  76. TR Gabella e T. Oka, “Detecção de H +  no espaço interestelar”  , Nature, 384  (1996), pp. 334-335.
  77. Hugh Ross, “Haja Ar”,  Facts & Faith, v. 10, n. 3  (1996), pp. 2-3.
  78. Davud J. Des Marais, Harold Strauss, Roger E. Summons e JM Hayes, “Evidência de isótopos de carbono para a oxidação gradual da natureza do ambiente proterozóico  , 359  (1992), pp. 605-609.
  79. Donald E. Canfield e Andreas Teske, “Elevação Proterozóica Tardia na Concentração Atmosférica de Oxigênio Inferida por Estudos Filogenéticos e Isótopos de Enxofre”,  Nature 382  (1996), pp. 127-132.
  80. Alan Cromer,  UnCommon Sense: The Heretics Nature of Science  (Nova York: Oxford University Press, 1993), pp. 175-176.
  81. Hugh Ross, “Drifting Giants destaca a singularidade de Júpiter”, Facts & Faith, v. 10, n. 4 (1996), p. 4)
  82. Hugh Ross, “Novos planetas suscitam especulações injustificadas sobre a vida”,  Facts & Faith, volume 10, número 1  (1996), pp. 1-3.
  83. Hugh Ross, “A estabilidade de Júpiter”,  Facts & Faith, volume 8, número 3  (1994), pp. 1-2.
  84. Christopher Chyba, “Life BeyondMars”  , Nature, 382  (1996), p. 577
  85. E. Skindrad, “Onde estão todos?”  Science News, 150  (1996), p. 153
  86. Stephen H. Schneider,  Laboratório Terra: A aposta planetária que não podemos perder  (Nova York: Basic Books, 1997), pp. 25, 29-30.
  87. Guillermo Gonzalez, “Mini-cometas escrevem novo capítulo em ciências da terra”,  Facts & Faith, v. 11, n. 3  (197), pp. 6-7.
  88. Miguel A. Goñi, Kathleen C. Ruttenberg e Timothy I. Eglinton, “Fontes e Contribuição de Carbono Orgânico Terrestre para Sedimentos de Superfície no Golfo do México”  , Nature, 389  (1997), pp. 275-278.
  89. Paul G. Falkowski, “Evolução do ciclo do nitrogênio e sua influência no seqüestro biológico de CO 2  no oceano”  , Nature, 387  (1997), pp. 272-274.
  90. John S. Lewis,  Física e Química do Sistema Solar  (San Diego, CA: Academic Press, 1995), pp. 485-492.
  91. Hugh Ross, “Atualização do projeto da terra: ozônio vezes três”,  Facts & Faith, v. 11, n. 4  (1997), pp. 4-5.
  92. WL Chameides, PS Kasibhatla, J. Yienger e H. Levy II, “Crescimento de agro-plexos em escala continental, poluição regional do ozônio e produção mundial de alimentos”  , Science, 264  (1994), pp. 74-77 .
  93. Paul Crutzen e Mark Lawrence, “Ozone Clouds Over the Atlantic”  , Nature, 388  (1997), p. 625
  94. Paul Crutzen, “Mesospheric Mysteries”  , Science, 277  (1997), pp. 1951-1952.
  95. ME Summers, et ai, “Implicações de satélite OH observações para Médio atmosférica H 2 O e Ozone”,  Science 277  (1997), pp. 1.967-1.970.
  96. K. Suhre, et al., “Transientes ricos em ozônio na troposfera do Atlântico Equatorial Superior”  , Nature, 388  (1997), pp. 661-663.
  97. LA Frank, JB Sigwarth e JD Craven, “Sobre o influxo de pequenos cometas na atmosfera superior da Terra. II Interpretation, ”  Geophysical Research Letters, 13  (1986), pp. 307-310.
  98. David Deming, “Acreção extraterrestre e clima da Terra”  , Geology,  no prelo.
  99. TA Muller e GJ MacDonald, “Presença Simultânea de Inclinação Orbital e Excentricidade em Registros Climáticos Prozy do Site 806 do Programa de Perfuração Oceânica”  , Geology, 25  (1997), pp. 3-6.
  100. Clare E. Reimers, “Feedback from the Sea Floor”  , Nature, 391  (1998), pp. 536-537.
  101. Hilairy E. Hartnett, Richard G. Keil, John I. Hedges e Allan H. Devol, “Influência do tempo de exposição ao oxigênio na preservação de carbono orgânico em sedimentos de  margens continentais”  , Nature, 391 (1998), pp. 572-574.
  102. Tina Hesman, “Gás com efeito de estufa: dióxido de carbono significa indigestão para cadeias alimentares”,  Science News, 157  (2000), pp. 200-202.
  103. Claire E. Reimers, “Feedbacks from the Sea Floor”  , Nature, 391  (1998), pp. 536-537.
  104. S. Sahijpal, et al., “Uma Origem Estelar para os Nuclídeos de Vida Curta no Sistema Solar Inicial”  , Nature, 391  (1998), pp. 559-561.
  105. Stuart Ross Taylor,  Destino ou Chance: Nosso Sistema Solar e Seu Lugar no Cosmos  (Nova York: Cambridge University Press, 1998).
  106. Peter D. Ward e Donald Brownlee,  Terra Rara: Por que a vida complexa é incomum no universo  (Nova York: Springer-Verlag, 2000).
  107. Dean L. Overman,  Um Processo Contra Acidente e Auto-Organização  (Nova York: Rowman & Littlefield, 1997), pp. 31-150.
  108. Michael J. Denton,  Nature’s Destiny  (Nova York: The Free Press, 1998), pp. 1-208.
  109. DNC Lin, P. Bodenheimer e DC Richardson, “Migração Orbital do Companheiro Planetário de 51 Pegasi para Sua Localização Atual”  , Nature, 380  (1996), pp. 606-607.
  110. Stuart J. Weidenschilling e Francesco Mazari, “Dispersão gravitacional como uma possível origem ou planetas gigantes a pequenas distâncias estelares”  , Nature, 384  (1996), pp. 619-621.
  111. Frederic A. Rasio e Eric B. Ford, “Instabilidades Dinâmicas e a Formação de Sistemas Planetários Extrasolares”  , Science, 274  (1996), pp. 954-956.
  112. N. Murray, B. Hansen, M. Holman e S. Tremaine, “Migrating Planets”  , Science, 279  (1998), pp. 69-72.
  113. Alister W. Graham, “Uma investigação sobre o destaque das protuberâncias da galáxia espiral”,  Astronomical Journal, 121  (2001), pp. 820-840.
  114. Fred C. Adams, “Restrições ao Agregado de Nascimento do Sistema Solar,  Icarus  (2001), no prelo.
  115. G. Bertelli e E. Nasi, “História da formação de estrelas na vizinhança solar”,  Astronomical Journal, 121  (2001), pp. 1013-1023.
  116. Nigel D. Marsh e Henrik Svensmark, “Propriedades de nuvens baixas influenciadas por raios cósmicos”,  Physical Review Letters, 85  (2000), pp. 5004-5007.
  117. Gerhard Wagner, et al., “Alguns resultados relevantes para a discussão de uma possível ligação entre os raios cósmicos e o clima da Terra”,  Journal of Geophysical Research, 106  (2001), pp. 3381-3387.
  118. E. Pallé e CJ Butler, “A Influência dos Raios Cósmicos nas Nuvens Terrestres e no Aquecimento Global.”  Astronomia e Geofísica, 41  (2000), pp. 4.19-4.22.
  119. B. Gladman e MJ Duncan, “Destinos dos Corpos Menores no Sistema Solar Exterior”,  Astronomical Journal, 100  (1990), pp. 1680-1693.
  120. S. Alan Stern e Paul R. Weissman, “Rápida evolução colisional de cometas durante a formação da nuvem de Oort”  , Nature, 409  (2001), pp. 589-591.
  121. Christopher P. McKay e Margarita M. Marinova, “A Física, Biologia e Ética Ambiental de Tornar Marte Habitável”  , Astrobiology, 1  (2001), pp. 89-109.
  122. Michael Loewenstein, “A Contribuição da População III para o Enriquecimento e Pré-aquecimento do Meio Intracluster”,  Astrophysical Journal, 557  (2001), pp. 573-577.
  123. Takayoshi Nakamura, et al., “Nucleosynthesis Explosive in Hypernovae”,  Astrophysical Journal, 555  (2001), pp. 880-899.
  124. Kazuyuki Omukai e Francesco Palla, “Sobre a formação de estrelas primordiais maciças”,  Astrophysical Journal Letters, 561  (2001), pp. L55-L58.
  125. Renu Malhotra, Matthew Holman e Takashi Ito, “Caos e estabilidade do sistema solar”, Anais da  Academia Nacional de Ciências, 98  (2001), pp. 12342-12343.
  126. Takashi Ito e Kujotaka Tanikawa, “Estabilidade e Instabilidade do Sistema Protoplanet Terrestre e Seus Possíveis Papéis no Estágio Final da Formação do Planeta”  , Icarus, 139  (1999), pp. 336-349.
  127. Li-Chin Yeh e Ing-Guey Jiang, “Evolução Orbital de Planetas Dispersos”,  Astrophysical Journal, 561  (2001), pp. 364-371.
  128. M. Massarotti, A. Iovino e A. Buzzoni, “Absorção de poeira e densidade de fluxo ultravioleta cósmica”,  Astrophysical Journal Letters, 559  (2001), pp. L105-L108.
  129. Kentaro Nagamine, Masataka Fukugita, Renyue Cen e Jeremiah P. Ostriker, “História da formação estelar e distribuição estelar de metalicidade em um universo de matéria escura escura”,  Astrophysical Journal, 558  (2001), pp. 497-504.
  130. Revyue Cen, “Por que existem galáxias esferoidais anãs?”  Astrophysical Journal Letters, 549  (2001), pp. L195-L198.
  131. Martin Elvis, Massimo Marengo e Margarita Karovska, “Fumar Quasares: Uma Nova Fonte de Poeira Cósmica”,  Astrophysical Journal Letters, 567  (2002), pp. L107-L110.
  132. N. Massarotti. A. Iovino e A. Buzzoni, “Absorção de poeira e densidade de fluxo ultravioleta cósmica”,  Astrophysical Journal Letters, 559  (2001), pp. L105-L108.
  133. James Wookey, J. Michael Kendall e Guilhem Barruol, “Deformação do Meio-Manto Inferida pela Anistropia Sísmica”  , Nature, 415  (2002), pp. 777-780.
  134. Karen M. Fischer, “flow and Fabric Deep Down”  , Nature, 415  (2002), pp. 745-748.
  135. Klaus Regenauer-Lieb, Dave A. Yuen e Joy Branlund, “A Iniciação da Subdução: Criticidade por Adição de Água?”  Science, 294  (2001), pp. 578-580.
  136. Leon Barry, George C. Craig e John Thuburn, “Poleward Heat Transport by the Atmospheric Heat Engine”  , Nature, 415  (2002), pp. 774-777.
  137. Akira Kouchi, et al., “Crescimento rápido de asteróides devido a grãos orgânicos interestelares muito pegajosos”,  Astrophysical Journal Letters, 566  (2002), pp. L121-L124.
  138. Christian J. Bjerrum e Donald E. Canfield, “Produtividade do Oceano Antes de 1,9 Gyr Ago Limited por Adsorção de Fósforo em Óxidos de Ferro”  , Nature, 417  (2002), pp. 159-162.
  139. David E. Harker e Steven J. Desch, “Recozimento de poeira de silicato por choques nebulares em 10 UA”,  Astrophysical Journal Letters, 565  (2002), pp. L109-L112.
  140. Chadwick A. Trujillo, David C. Jewitt e Jane X. Luu, “Propriedades do Cinturão Trans-Neptuniano: Estatísticas do Telescópio Canadá-França-Havaí”,  Astronomical Journal, 122  (2001), pp. 457-473 .
  141. WA Dziembowski, PR Goode e J. Schou, “O Sol Encolhe com o Aumento da Atividade Magnética?”  Astrophysical Journal, 553  (2001), pp. 897-904.
  142. Anthony Aguirre, et al, “Enriquecimento de metais do meio intergaláctico em simulações cosmológicas”,  Astrophysical Journal, 561 ( 2001), pp. 521-549.
  143. Ron Cowen, “Remodelação Cósmica: Superwinds Star in Early Universe”,  Science News, 161  (2002), p. 244
  144. Tom Abel, Greg L. Byran e Michael L. Norman, “A formação da primeira estrela no universo”  , Science, 295  (2002), pp. 93-98.
  145. Robert Irion, “The Quest for Population III”  , Science, 295  (2002), pp. 66-67.
  146. Y.-Z. Qian, WLW Sargent e GJ Wasserburg, “O Prompt Inventory de Estrelas Muito Massivas e Abundâncias Elementares em Sistemas Lya”,  Astrophysical Journal Letters, 569  (2002), pp. L61-L64.
  147. Kazuyuki Omukai e Francesco Palla, “Sobre a formação de estrelas primordiais maciças”,  Astrophysical Journal Letters, 561  (2001), pp. L55-L58.
  148. A. Heger e SE Woosley, “The Signature Nucleosynthetic of Population III”,  Astrophysical Journal, 567  (2002), pp. 532-543.
  149. Michael Loewenstein, “A Contribuição da População III para o Enriquecimento e Pré-aquecimento do Meio Intracluster”,  Astrophysical Journal, 557  (2001), pp. 573-577.
  150. Takayoshi Makamura, et al., “Nucleosynthesis Explosive in Hypernovae”,  Astrophysical Journal, 555  (2001), pp. 880-899.
  151. Steve Dawson, et al., “Um vento galáctico em z = 5,190”,  Astrophysical Journal, 570  (2002), pp. 92-99.
  152. John E. Norris, et al., “Extremamente pobres em metal. IX CS 22949-037 e o papel das hipernovas “,  Astrophysical Journal Letters, 569  (2002), pp. L107-110.
  153. Daniel R. Bond, “Microrganismos redutores de eletrodo que colhem energia de sedimentos marinhos”  , Science, 295  (2002), pp. 483-485.
  154. EL Martin, et al., “Quatro anãs marrons na região de formação  estelar de Touro “,  Astrophysical Journal Letters, 561 (2001), pp. L195-L198.
  155. Tom Fenchel, “Marine Bugs and Carbon Flow”  , Science, 292  (2001), pp. 2444-2445.
  156. Zbigniew S. Kolber, et al., “Contribuição de bactérias foto-heterotróficas aeróbicas no ciclo do carbono no oceano”  , Science, 292  (2001), pp. 2492-2495.
  157. Martin J. Rees. “Como a idade das trevas cósmica terminou”  , Science, 295  (2002), pp. 51-53.
  158. Jay Melosh, “A New Model Moon”  , Nature, 412  (2001), pp. 694-695.
  159. Robin M. Canup e Erik Asphaug, “Origem da Lua em um Impacto Gigante Perto do Fim da Formação da Terra”  , Nature, 412  (2001), pp. 708-712.
  160. M. Elvis G. Risaliti e G. Zamorani, “A maioria dos buracos negros supermassivos deve girar rapidamente”,  Astrophysical Journal Letters, 565  (2002), pp. L75-L77.
  161. M. Pätzold e H. Rauer, “Onde estão os planetas extrasolares maciços próximos?”  Astrophysical Journal Letters, 568  (2002), pp. L117-L120.
  162. Shay Zucker e Tsevi Mazeh, “Sobre a correlação do período de massa dos planetas extra-solares “,  Astrophysical Journal Letters, 568  (2002), pp. L113-L116.
  163. BS Gaudi, et al., “Microlensing Constraints on the Frequency of Jupiter-Mass Companions: Analysis of 5 Years of Planet Photometry”,  Astrophysical Journal, 566  (2002), pp. 463-499.
  164. Motohiko Murakami, et al., “Água no manto inferior da Terra”  , Science, 295  (2002), pp. 1885-1887.
  165. Lee Hartmann, Javier Ballesteros-Paredes e Edwin A. Bergin, “Formação rápida de nuvens e estrelas moleculares na vizinhança solar”,  Astrophysical Journal, 562  (2001), pp. 852-868.
  166. Renyue Cen, “Por que existem galáxias esferoidais anãs?”  Astrophysical Journal Letters, 549  (2001), pp. L195-L198.
  167. Thilo Kranz, Adrianne Slyz e Hans-Walter Rix, “Pesquisa de matéria escura dentro de discos de galáxias espirais”,  Astrophysical Journal, 562  (2001), pp. 164-178.
  168. Francesco Gertola, “Colocando Galáxias na Escala”  , Science, 295 ( 2002), pp. 283-284.
  169. David R. Soderblom, Burton F. Jones e Debra Fischer, “Estudos rotacionais de estrelas do tipo tardio. VII M34 (NGC 1039) e a evolução do momento angular e da atividade em jovens estrelas do tipo solar ”,  Astrophysical Journal, 563  (2001), pp. 334-340.
  170. John Scalo e J. Craig Wheeler, “Implicações astrofísicas e astrobiológicas das propriedades da explosão de raios gama”,  Astrophysical Journal, 566  (2002), pp. 723-737.
  171. Jan van Paradijs, “From Gamma-Ray Bursts to Supernovae”  , Science, 286  (1999), pp. 693-695.
  172. JS Bloom, SR Kulkarni e SG Djorgovski, “A distribuição deslocada observada de explosões de raios gama de suas galáxias hospedeiras: uma pista robusta da natureza dos progenitores”,  Astronomical Journal, 123  (2002), pp. 1111-1148.
  173. Colin D. O’Dowd, et al., “Atmospheric Particles From Organic Vapors”  , Nature, 416  (2002), p. 497
  174. EW Cliver e AG Ling, “Padrões de 22 anos na relação entre número de manchas solares e ângulo de inclinação com a intensidade dos raios cósmicos”,  Astrophysical Journal Letters, 551  (2001), pp. L189-L192.
  175. Kentaro Nagamine, Jeremiah P. Ostriker e Renyue Cen, “Número Cósmico de Mach em Função da Sobredensidade e Idade da Galáxia”,  Astrophysical Journal, 553  (2001), pp. 513-527.
  176. John E. Gizis, I. Neill Reid e Suzanne L. Hawley, “Pesquisa Espectroscópica de Estrelas Próximas de Palomar / MSU. III Atividade cromosférica, idades dos anões M e história local da formação estelar ”,  Astronomical Journal, 123  (2002), pp. 3356-3369.
  177. Jason Pruet, Rebecca Surman e Gail C. McLaughlin, “Sobre a contribuição das explosões de raios gama para o inventário galáctico de alguns núcleos de massa intermediária”,  Astrophysical Journal Letters, 602  (2004), pp. L101-L104.
  178. VA Dogiel, E. Schönfelder e AW Strong, “A luminosidade do raio cósmico da galáxia”,  Astrophysical Journal Letters, 572  (2002), pp. L157-L159.
  179. Ken Croswell,  A Alquimia dos Céus  (Nova York: Anchor Books, 1995).
  180. John Emsley,  The Elements, terceira edição  (Oxford, Reino Unido: Clarendon Press, 1998), pp. 24, 40, 56, 58, 60, 62, 78, 102, 106, 122, 130, 138, 152, 160, 188 198, 214, 222, 230.
  181. Ron Cowen, “Celestial Divide”,  Science News. 162  (2002), pp. 244-245.
  182. Ron Cowen, “Remodelação Cósmica: Superwinds Star in Early Universe”,  Science News, 161  (2002), p. 244
  183. Jason Tumlinson, Mark L. Giroux e J. Michael Shull, “Sondando as primeiras estrelas com emissão de recombinação de hidrogênio e hélio”, Astrophysical Journal Letters, 550 (2002), pp. L1-L5.
  184. Y.-Z. Qian, WLW Sargent e GJ Wasserburg, “O inventário imediato de estrelas muito massivas e abundâncias elementares nos sistemas Lya”,  Astrophysical Journal Letters, 569  (2002), pp. L61-L64.
  185. Steve Dawson, Hyron Spinrad, et al., “A Wind Galactic AT z = 5.190”,  Astrophysical Journal 570  (2002), pp. 92-99.
  186. John E. Norris, Sean G. Ryan, Timothy C. Beers e Wako Aoki e Hiroyasu Ando, ​​”Estrelas extremamente pobres em metais. IX. CS 22949-037 e o papel das hipernovas”,  Astrophysical Journal Letters, 569  (2002), pp. L107-L110.
  187. Martin Elvis, Massimo Marengo e Margarita Karovska, “Fumar Quasares: Uma Nova Fonte de Poeira Cósmica”,  Astrophysical Journal Letters, 567  (2002), pp. L107-L110.
  188. Mark G. Lawrence, “Efeitos colaterais da fertilização oceânica do ferro”  , Science, 297  (2002), p. 1993.
  189. Charles E. Kolb, “O Ar da Importância do Iodo”,  Nature, 417  (2002), pp. 597-598.
  190. Colin D. O’Dowd, et al., “Marine Aerosol Formation from Biogenic Iodine Emissions”  , Nature, 417  (2002), pp. 632-636.
  191. Richard A. Kerr, “Manto Plumas Alto e Baixo?”  Science, 302  (2003), p. 1643
  192. Todd A. Thompson, “Ventos Magnéticos de Protoneutrons e Nucleossíntese do Processo r”,  Astrophysical Journal Letters, 585  (2003), pp. L33-L36.
  193. Andrei M. Beloborodov, “Composição Nuclear de Bolas de Fogo Explosão de Raios Gama”,  Astrophysical Journal, 588  (2003), pp. 9331-944.
  194. Jason Pruet, Rebecca Surman e Gail C. McLaughlin, “Sobre a contribuição das explosões de raios gama para o inventário galáctico de alguns núcleos de massa intermediária”,  Astrophysical Journal Letters, 602  (2004), pp. L101-L104.
  195. Sydney A. Barnes, “Uma conexão entre a morfologia da emissão e rotação de raios-X para estrelas do tipo solar em aglomerados abertos”,  Astrophysical Journal Letters, 586  (2003), pp. L145-L147.
  196. Jonathan Arons, “Magnetares na Metagaláxia: Uma Origem dos Raios Cósmicos de Energia Ultra-Alta no Universo Próximo”,  Astrophysical Journal, 589  (2003), pp. 871-892.
  197. Shri Kulkarni, “The Missing Link”  , Nature, 419  (2002), pp. 121-123.
  198. FP Gavriil, VM Kaspi e PW Woods, “Raios-X semelhantes a magnetar de um pulsar anômalo de raios-X”  , Nature, 419  (2002), pp. 142-144.
  199. Harold F. Levinson e Alessandro Morbidelli, “A formação do cinturão de Kuiper pelo transporte externo de corpos durante a migração de Netuno”  , Nature, 426  (2003), pp. 419-421.
  200. Rosemary A. Mardling e DNC Lin, “Calculando a maré, rotação e evolução dinâmica de sistemas planetários extrasolares”,  Astrophysical Journal, 573  (2002), pp. 829-844.
  201. Yu N. Mishurov e LA Zenina, “Sim, o Sol está Localizado Perto do Círculo de Corotação”,  Astronomy & Astrophysics, 341  (1999), pp. 81-85.
  202. Guillermo Gonzalez, “O Sol é Anômalo?”  Astronomy & Geophysics, 40  (1999), pp. 25-30.
  203. JL Turner, et al., “Uma Supernebula Extragalactic Confined by Gravity”  , Nature, 423  (2003), pp. 621-623.
  204. Wolf U. Reimold, “Impact Crateres Comes of Age”  , Science, 300  (2003), pp. 1889-1890.
  205. Andrey V. Kravtsov, “Sobre a Origem da Lei Schmidt Global de Formação de Estrelas”,  Astrophysical Journal Letters, 590  (2003), pp. L1-L4.
  206. Keiichi Wada e Aparna Venkatesan, “Feedback das primeiras supernovas em protogalaxias: o destino dos metais gerados”,  Astrophysical Journal, 591  (2003), pp. 38-42.
  207. Renyue Cen, “As implicações das observações da sonda de anisotropia por microondas de Wilkinson para processos de formação de estrelas na população III”,  Astrophysical Journal Letters, 591  (2003), pp. L5-L8.
  208. Renyue Cen, “O universo foi reionizado duas vezes”,  Astrophysical Journal, 591  (2003), pp. 12-37.
  209. Hans Kepler, Michael Wiedenbeck e Svyatoslav S. Shcheka, “Solubilidade de carbono na olivina e modo de armazenamento de carbono no manto da Terra”  , Nature, 424  (2003), pp. 414-416.
  210. Mario G. Abadi, et al., “Simulações da formação de galáxias em um universo de L Cold Dark Matter. I. Propriedades Dinâmicas e Fotométricas da Galáxia Simulada em Disco,  Astrophysical Journal, 591  (2003), pp. 499-514.
  211. K. Pfeilsticker, et al., “Detecção atmosférica de dímeros de água via absorção no infravermelho próximo”   , Science, 300  (2003), pp. 2078-2080.
  212. A. Finoguenov, A. Burkert e H. Böhringer, “Papel dos aglomerados de galáxias na evolução do orçamento do metal no universo”,  Astrophysical Journal, 594  (2003), pp. 136-143.
  213. Marc J. Kuchner. “Planetas de massa terrestre ricos em voláteis na zona habitável”,  Astrophysical Journal Letters, 596  (2003), pp. L105-L108.
  214. KenjiBekki e Warrick J. Couch, “Starbursts da forte compressão de nuvens moleculares galácticas devido à alta pressão do meio intracluster”,  Astrophysical Journal Letters, 596  (2003), pp. L13-L16.
  215. S. Chakrabarti, G. Laughlin e FH Shu, “Formação de  Galhos , Espora e Penas em Galáxias Espirais”,  Astrophysical Journal, 596 (2003), pp. 220-239.
  216. Edward W. Thommes e Jack J. Lissauer, “Excitação por ressonância de planetas gigantes em migração”,  Astrophysical Journal, 597  (2003), pp. 566-580.
  217. JB Adams, ME Mann e CM Ammann, “Proxy Evidence for a El-Nino-Like Response for Vulcanic Forcing”  , Nature, 426  (2003), pp. 274-278.
  218. Shanaka de Silva, “Erupções Ligadas a El Nino”  , Nature, 426  (2003), pp. 239-241.
  219. JS Seewald, “Interações Orgânico-Inorgânicas em Bacias Sedimentares Produtoras de Petróleo”  , Nature, 426  (2003), pp. 327-333.
  220. IM Head, DM Jones, e SR Larter, “Atividade Biológica no Subsolo Profundo e a Origem do Petróleo Pesado”  , Nature, 426  (2003), pp. 344-352.
  221. N. White, M. Thompson e T. Barwise, “Entendendo a evolução térmica das margens continentais em águas profundas,  Nature, 426  (2003), pp. 334-343.
  222. Anthony C. Harris, et al., “Inclusões de derretimento nas veias: vinculando depósitos de Cu de magmas e pórfiro”  , Science, 302  (2003), pp. 2109-2111.
  223. Jean S. Cline, “How to Concentrate Copper”  , Science, 302  (2003), pp. 2075-2076.
  224. Takaya Nozawa, et al., “Poeira no Universo Primitivo: Formação de Poeira nas Ejecta da Supernova da Pupulação III”,  Astrophysical Journal, 598  (2003), PP. 785-803.
  225. Jason Pruet, Rebecca Surman e Gail C. McLaughlin, “Sobre a contribuição das explosões de raios gama para o inventário galáctico de alguns núcleos de massa intermediária”,  Astrophysical Journal Letters, 602  (2004), pp. L101-L104.
  226. David Stevenson, “Inside History in Depth”  , Nature, 428  (2004), pp. 476-477.

Artigo traduzido do original Fine tunning for life on earth update june 2004 

Esse post foi publicado em Design Inteligente, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s