Erupções Vulcânicas e Terremotos

 (1864) — Antes do dilúvio havia imensas florestas. As árvores eram muitas vezes maiores do que as conhecidas atualmente. Eram de grande durabilidade. Elas duravam centenas de anos até entrarem em decomposição. No tempo do dilúvio estas florestas foram arrancadas pela raiz ou derrubadas e soterradas. Em alguns lugares, grandes quantidades dessas imensas árvores foram amontoadas e cobertas com pedras e terra pela agitação do dilúvio. Desde então, foram petrificadas e transformadas em carvão, o que justifica os grandes estratos de carvão encontrados atualmente. Este carvão produziu o petróleo.

Deus criou grandes quantidades de carvão e petróleo para entrarem em ignição e queimarem-se. As rochas eram intensamente aquecidas, a pedra calcária queimada e o minério de ferro derretido. A ação da água sobre a pedra calcária proporciona uma agitação violenta ao intenso calor, provocando terremotos, vulcões e explosões de fogo e faíscas. A ação do fogo e da água sobre as camadas rochosas e do minério de ferro causa explosões estrondosas que soam como um som abafado de trovão. Estas exibições maravilhosas serão mais intensas e terríveis exatamente antes da vinda de Cristo e no fim dos tempos, como sinais de sua destruição arrasadora.

O carvão e o petróleo são geralmente encontrados onde não há montanhas queimando ou explosões de fogo. Quando o fogo e a água se encontram sob a superfície terrestre, as explosões de fogo não dão saída suficiente aos componentes quentes que estão abaixo. A Terra é agitada — o chão treme, desloca-se e ergue-se em forma de morros ou ondulações, havendo sons estrondosos como se houvessem trovões no subsolo. O ar é quente e sufocante. O solo abre-se rapidamente, e eu vi vilarejos, cidades e montanhas sendo engolidas.

Deus controla todos esses elementos; eles são os instrumentos divinos para que seja feita a Sua vontade; Ele os coloca em ação para servir a Seus propósitos. Estas explosões de fogo têm sido e continuarão sendo os agentes do Altíssimo para eliminar da terra todas as cidades pecaminosas. Como Corá, Datã e Abirão, descem vivas ao abismo. Estas são as evidências do poder de Deus. Aqueles que têm observado estas montanhas ficam pasmados de terror com a grandeza da cena torrentes de fogo e chamas explodindo juntamente com grande quantidade de minério de ferro derretido secando os rios e fazendo-os desaparecer. Os homens enchem-se de temor enquanto observam atentamente o infinito poder de Deus.

Estas manifestações ostentam as marcas especiais do poder de Deus e destinam-se a levar as pessoas na Terra a tremerem perante Ele, e a calar aqueles que, como Faraó, dizem orgulhosamente: “Quem é o Senhor a cuja voz devo obedecer?” Isaías faz referência a essas exibições do poder de Deus quando exclama: “Oh, Se fendesses os céus, e descesses! Se os montes se escoassem diante da Tua face! Como quando o fogo inflama a lenha e faz ferver as águas, para fazeres notório o teu nome aos teus adversários, assim as nações tremessem da tua presença! Quando fazias coisas terríveis, que não esperávamos, descias, e os montes se escoavam diante da tua face”. (Isa. 64:1-3).

“O Senhor é paciente e grande em poder, não deixa impune o culpado. O senhor caminha em meio da tempestade e sobre o vento impetuoso; as nuvens são as poeiras dos seus pés. Ele ameaça ao mar e torna-o seco, e esgota todos os regatos. O Basã e o Carmelo fenecem, as flores do Líbano murcham-se. As montanhas vacilam diante Dele, desaparecem as colinas; a Terra, o mundo e todos os seus habitantes agitam-se diante dele. Quem poderia enfrentar a sua cólera? Quem poderia resistir o ardor de sua ira? Seu furor derrama-se como um fogo, seu aspecto basta para destruir um rochedo.” (Naum 1:3-6).

“Elas falam do brilho esplendoroso de vossa majestade, e publicam as vossas maravilhas. Anunciam o formidável poder de vossas obras e narram as vossas grandezas.” (Sal. 144:5-6).

Grandes maravilhas jamais vistas serão testemunhadas por todos na Terra por um curto período anterior a vinda de Cristo …

As vísceras da Terra são o armamento de Deus, de onde Ele retirou as armas que usou na destruição do mundo antigo. As águas nas veias da Terra jorravam e se uniam com as águas dos céus para completar o trabalho da devastação. Desde o dilúvio, Deus usa tanto a água como o fogo da Terra como Seus agentes para destruir as cidades pecaminosas.

No dia do Senhor, antes da vinda de Cristo, Deus emitirá luzes do céu como sua cólera, na qual irá se unir com o fogo na Terra. As montanhas queimarão como fornalhas e irão jorrar terríveis rios de lava, destruindo jardins e campos, vilarejos e cidades; e conforme eles derramem o minério de ferro derretido, rochas e lama quente dos rios, tudo isso irá ferver como um caldeirão e lançarão rochas maciças, espalhando seus fragmentos por toda a superfície da Terra com extrema violência. Rios inteiros secarão. A Terra se agitará e haverá terríveis erupções e terremotos em toda parte. Deus irá contaminar os habitantes pecaminosos da Terra até que eles sejam exterminados.

Os santos são protegidos na Terra em meio a essa agitação terrível, como Noé foi protegido na arca no tempo do dilúvio. 3 SG, págs. 79-83 (1SP, págs. 81-85).

(1885) Fogos Subterrâneos Incendeiam-se — Para mim, essas montanhas são significantes. Fogos subterrâneos, embora nas profundezas, se incendeiam. Quando o ímpio tiver enchido o seu copo da iniquidade, então o Senhor se levantará do Seu lugar para punir os habitantes da Terra. Ele mostrará a grandeza do Seu poder. O supremo Governador do Universo revelará aos homens que revogaram Sua lei, que a Sua autoridade será mantida. Nem toda a água dos oceanos poderá apagar a chama que Deus acenderá. Os terremotos estremecem a Terra, as rochas movem-se do lugar, as colinas e a terra firme tremem sob os passos do Onipotente. Ainda uma vez mais, Ele fará tremer não só a Terra, mas também os céus. Um mar de fogo arde sob nossos pés e há uma fornalha ardente nessas antigas montanhas rochosas. As montanhas fumegantes anunciam que uma poderosa fornalha está acesa, esperando a ordem de Deus para envolver a Terra em chamas. Não devíamos nós temer e tremer diante dEle? MS 29, 1885.

(1886) Mudanças Causadas pelo Grande Dilúvio — Se tudo nas obras de Deus parece-nos tão perfeito, as montanhas majestosas e as elevadas e antigas rochas nos são atrativas, quanto mais excedia em beleza, grandeza e maravilha o mundo antes do dilúvio, o qual foi destruído por causa da imoralidade humana. Deus cercou a humanidade com as maravilhas da Terra porque a amava. Mas, essas bênçãos se transformaram em maldição, e o homem usufruiu das preciosidades da Terra para satisfazer seu orgulho e glorificar a si mesmo, até que o Senhor o destruiu e também a Terra que foi corrompida pela sua violência e pelas suas obras perversas. Mesmo agora, se a maldição do pecado não estivesse corrompendo a Terra, nosso mundo seria um lugar feliz. Mas todo lugar habitado pelo ser humano está corrompido pelo pecado.

As rochosas montanhas surgem repentinamente e sobem a uma grande altura, atingindo o topo dos céus. À minha esquerda, há um grande e antigo castelo construído no topo de uma montanha; ao longe, surge uma outra montanha acima. Os picos quase alcançam os céus — uma montanha que aos olhos humanos parece inacessível, elevando-se centenas de metros acima do chão — tendo bem no topo uma torre a qual deve servir como observatório. A ambição do homem não tem limites. Chegamos a um cenário que parece indescritível aos nossos sentidos. Um pico montanhoso surge sobre outros picos, as esplêndidas e maciças rochas, curiosamente moldadas, que foram movidas por agentes poderosos e esculpidas pelas intempéries do tempo …

O grande Deus erigiu as Suas poderosas estruturas nas rochas de granito, nas elevadas montanhas, nos penhascos, desfiladeiros, nos precipícios, nas rochas dos castelos e nas cavernas da Terra, e com estas descrições das evidências do poder de Deus, quão ingrato é o coração que necessita de ídolos humanos para adorar …

Os homens podem observar, sob a superfície arruinada da Terra, as evidências do dilúvio. Eles se acham mais sábios do que Deus e no geral inteligentes demais para obedecer à Sua Lei, guarda os Seus mandamentos e obedecer aos estatutos e aos preceitos de Jeová. As riquezas da Terra, dadas por Deus, não os conduziram à obediência, mas levaram-nos a afastarem-se dela, pois fizeram mau uso do privilégio celestial. Transformaram as bênçãos concedidas por Deus em motivos de separação dEle e por terem se tornado maldosos em sua natureza, mais do que praticantes do bem, o Senhor mandou o dilúvio sobre o mundo antigo e os fundamentos do grande abismo se romperam.

Argila, calcário e conchas que Deus havia espalhado no fundo do mar foram levantados e sacudidos de um lado para o outro, e convulsões de fogo e água, terremotos e vulcões enterraram os ricos tesouros de ouro, prata e pedras preciosas para além da vista e do alcance humanos. As montanhas contêm tesouros valiosos. Há lições a serem aprendidas no livro da natureza de Deus …

Observamos na face arruinada da natureza, nas fissuras das rochas, nas montanhas e precipícios, os quais nos fazem saber que grandes erros foram cometidos, que os homens abusaram dos dons divinos, esqueceram-se do Criador, e que o Senhor foi entristecido e puniu ímpios transgressores da Sua Lei. Como resultado, temos os efeitos do pecado na criação. MS 62, 1886.

(1890) — Nesse tempo, imensas florestas foram sepultadas. Estas foram depois transformadas em carvão, for mando as extensas camadas carboníferas que hoje existem, e também fornecendo grande quantidade de óleo. O carvão e o óleo frequentemente se acendem e queimam debaixo da superfície terrestre. Assim, as rochas são aquecidas, queimada a pedra de cal e derretido o minério de ferro. A ação da água sobre a cal aumenta a fúria do intenso calor e determina os terremotos, vulcões e violentas erupções. Vindo o fogo e a água em contato com as camadas de pedra e minério, há violentas explosões subterrâneas, as quais repercutem como soturnos trovões. O ar se acha quente e sufocante. Seguem-se erupções vulcânicas; e, deixando estas muitas vezes de dar vazão suficiente aos elementos aquecidos, a própria Terra é agitada, o terreno se ergue e dilata-se como as ondas do mar, aparecem grandes fendas e, algumas vezes, cidades, vilas, e montanhas a arder são tragadas. Estas assombrosas manifestações serão mais e mais frequentes e terríveis precisamente antes da segunda vinda de Cristo e do fim do mundo, como sinais de sua imediata destruição.

As vísceras da Terra são o armamento de Deus de onde Ele retirou as armas que usou na destruição do mundo antigo. As águas nas veias da Terra jorravam e se uniam com as águas dos céus para completar o trabalho da devastação. Desde o dilúvio, Deus usa tanto a água como o fogo da Terra como Seus agentes para destruir as cidades pecaminosas.

Estes juízos são enviados a fim de que aqueles que consideram levianamente a lei de Deus e menosprezam Sua autoridade, possam ser levados a tremer ante o Seu poder, e confessar Sua justa soberania. Vendo os homens montanhas ardentes a derramar fogo e chamas, e torrentes de minério derretido a secar rios, submergindo cidades populosas, e por toda parte espalhando a ruína e desolação, o mais arrogante coração se encherá de terror, e os incrédulos e blasfemos serão constrangidos a reconhecer o infinito poder de Deus.

Disseram os antigos profetas, referindo-se a cenas como essas: “Oh! se fendesses os céus, e descesses! E os montes se escoassem diante da Tua face! Como quando o fogo inflama a lenha, e faz ferver as águas, para fazeres notório o Teu nome aos Teus adversários, assim as nações tremessem da Tua presença! Quando fazias coisas terríveis, que não esperávamos, descias, e os montes se escoavam diante da Tua face.” “O Senhor tem o Seu caminho na tormenta, e na tempestade, e as nuvens são o pó dos Seus pés. Ele repreende o mar, e o faz secar, e esgota todos os rios”. (Naum 1:3 e 4).

Manifestações mais terríveis do que as que o mundo jamais viu serão testemunhadas por ocasião do segundo advento de Cristo. “Os montes tremem perante Ele, e os outeiros se derretem; e a Terra se levanta na Sua presença; o mundo e todos os que nele habitam. Quem parará diante do Seu furor? E quem subsistirá diante do ardor da Sua ira?”. (Naum 1:5 e 6). “Abaixa, ó Senhor, os Teus céus, e desce; toca os montes, e fumegarão. Vibra os Teus raios, e  dissipa-os; envia as Tuas flechas, e desbarata-os.” (Sal. 144:5 e 6).

Conforme as luzes do céu se unem com o fogo na Terra, as montanhas queimarão como fornalhas e derramarão rios de lava, devastando campos e jardins, vilas e cidades. As massas ferventes arremessadas nos rios irão fazer com que as águas entrem em ebulição, atirando rochas maciças com grande violência e espalhando seus fragmentos sobre a Terra. Os rios serão secados. A Terra se agitará; haverá terríveis terremotos e erupções por toda parte. Assim, Deus destruirá o mal da Terra. PP, págs. 108-110.

(1891) — Terríveis abalos sobrevirão à Terra, e os suntuosos palácios construídos com grandes despesas certamente tornar-se-ão montões de ruínas. A crosta terrestre será dilacerada pelas explosões dos elementos ocultos nas entranhas da Terra. Estes elementos, uma vez desprendidos, arrebatarão os tesouros dos que durante anos têm aumentado sua fortuna pela aquisição de grandes posses a custa de fome dos que estão ao seu serviço. E o mundo religioso também será terrivelmente abalado, pois o fim de todas as coisas está às portas. MS 24, 1981.

(1902) — Nas profundezas da Terra, Deus guardou as armas que Ele irá usar para destruir as cidades pecaminosas; ambos a água e o fogo estão escondidos na Terra. Na sua conflagração final, Deus, na sua ira, emitirá luzes do céu para se unir ao fogo na Terra. As montanhas se queimarão como uma fornalha e derramarão rios de lava. 7BC, págs. 946-947.

(1913) — Quando em dificuldade, os filósofos e homens de ciência buscam satisfazer ao espírito sem recorrer a Deus. Ventilam sua filosofia quanto ao céu e à Terra, atribuindo as pragas, pestes, epidemias, terremotos e fome a motivos expostos por sua suposta ciência. Às perguntas relativas à criação e à providência, tentam responder, dizendo: Essa é uma lei da natureza. CP, pág. 440.

Anúncios
Esse post foi publicado em Antidiluvianos, Dilúvio, Ellen White, Geologia, Uncategorized, Vulcões. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s