Fatos que Refutam a Transubstanciação

 

No feriado de Corpus Christi católicos fiéis do mundo todo celebram o “Corpo de Cristo”. Mas, o que exatamente significa isso?

A festa de Corpus Christi celebra a presença do corpo e sangue de Cristo e é um dos sacramentos da Eucaristia. Segundo as religiões cristãs, na quinta-feira santa, dia que antecedeu a sua morte, Jesus Cristo reuniu os seus apóstolos para a Última Ceia, quando disse: “Isto é o meu corpo (apontando para o pão), e isto é o meu sangue (apontando para o vinho)”. Os católicos do mundo todo agradecem então, o dom da Eucaristia, no qual crêem que Deus é o alimento espiritual da alma.

A celebração da data teve início em 1193, por iniciativa da religiosa belga Juliana de Cornellon, que disse ter visto a Virgem Maria pedindo para que ela realizasse uma grande festa com o intuito de honrar o corpo de Jesus na Eucaristia. Anos mais tarde, em 1264, o papa Urbano IV consagrou a festa (que já acontecia) à Igreja Universal. Através da publicação da bula Transituru do Mundo, Urbano IV decretou a celebração como sendo oficial, e com a tríplice finalidade: honrar Jesus Cristo, pedir perdão a Jesus pelo que foi feito a ele e protestar contra aqueles que negavam a presença de Deus na hóstia sagrada.

De acordo com a Igreja Católica, durante a missa, no momento em que o sacerdote proclama as palavras “Isto é o meu corpo e isto é o meu sangue”, ocorre o ato da transubstanciação, por meio do qual a substância do pão e vinho (neste caso, a hóstia e o vinho) se transforma no corpo e sangue de Cristo. Este é o momento mais importante de toda a celebração de Corpus Christi – as hóstias até então não consagradas, tornam-se consagradas.


E você crê na transubstanciação?? crê que o elemento pão e o elemento vinho realmente se tranforma em corpo e sangue de Cristo?? Memorial ou sacramento?

 1. Cristo estava presente quando pronuciou as Palavras “Este é meu o Meu corpo”  Teria então dois corpos? Aprersentou a Si mesmo como aquele a quem o Cordeiro Pascal representava e João Batista havia indicado. S. João 1:29.

 2. Os Apóstolos continuaram chamando de símbolo ao pão depois de sua consagração. ( I Cor 10:16;11:26-27.)

 3. A cerimônia não é chamada pomposamente Santa Missa ou Santissimo Sacramento na Biblia, mas simplesmente o “Partir do pão” Atos 2:42-46;20:7.

 4. Nada disse Cristo que devia ser praticado em favor dos vivos e dos mortos mas sim em memória de Mim. I Cor.11:25 Por outro lado se Jesus vem e Se faz presente em cada Missa, que razão haveria para Paulo dizer:” Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este Cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.” I Cor 11:26. ” Em memória” é referência a alguém ausente e não presente.

 5. Segundo o dogma católico Jesus deve ter Se equivocado ao dizer: ” Não beberei desse fruto da vide até aquele dia em que o beba de novo convosco….” deveria ter dito: “Não beberei mais de Meu sangue.” Esta passagem também demostra que Jesus estava falando de forma figurada.

 6. Inferências dialéticas contrárias a este ensino:É possível que os homens tenham poder para transformar elementos materiais, como pão e o vinho, em Deus? Não é idolatria adorar elementos materiais? São suscetiveis de digestão estomacal as coisas divinas? Podem os sacerdotes ter poder para aumentar a qualidade da divendade no Universo? Qual dos corpos de Jesus aparece na Transsubstanciação, o terreno ou o glorificado? pois ainda não estava glorificado quando instituiu a cerimônia.

 7. Este dogma é contrário ao que Paulo ensinava: “Não são deuses os que se fazem com as mãos” Atos 19:26.

 8. Por que haveria este milagre de diferenciar-se dos demais feitos por Jesus?

    Em todos eles o Mestre permitiu que os sentidos, tribunal competente, a razão humana, dessem seu veredicio acerca da obra efetuada. por então nesse milagre se obriga a pôr de lado o testemunho dos sentidos? por que, não se pode tocar a “Hostia” quando Jeus mesmo disse ” Tomai”.

 9. Das muitas citações dos Pais da Igreja confirmando ser o pão e o vinho símbolos, damos somente esta de Agostinho. ” O Senhor não hesitou em dizer ” Este é o Meu Corpo, quando dava o símbolo do Seu corpo, Estes são sacramentos aos quais deve atender-se, não ao que são, mas sim ao que representam porque são símbolos das coisas, sendo uma significando outra” ( Continuação Adimantu, capitulo XII.

 10. Com que autoridade a Igreja privou os fiéis da comunhão do vinho? Não há nada nas Escrituras que dê apoio a tal coisa.

Por que exige jejum, desde a meia-noite ou pelo menos de 3 horas antes, sendo que os discipulos participaram do rito logo após haverem ceado?

Extraido do Livro – Seguem-Me , págs.220-221. CPB

Esse post foi publicado em Corpus Christi, Eucaristia, Heresias, Transubstanciação, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s