A teologia da prosperidade não traz felicidade – Parte 2

Outro aspecto de Malaquias 3:10 que precisa ser destacado é que o texto não está ensinando que Deus é obrigado a nos abençoar ou que nosso ato de dizimar e ofertar irá forçá-Lo a tornar próspero alguém que desobedece aos demais mandamentos (lembre-se do contexto de Malaquias 3:10: o ato de não dizimar e ofertar era um dos problemas). Deus é Quem sabe o momento certo de dar uma bênção aos Seus filhos; por isso, não se pode pensar que Ele nos dará tudo o que pedimos no momento que queremos.

Um pai não vai dar as chaves do carro para o filhinho de cinco anos porque sabe que a criança ainda não está preparada para desfrutar da alegria de dirigir. Ele tem consciência de que o filho precisa estar preparado para receber esse “presente”. O mesmo ocorre em relação a Deus. O Senhor vê o futuro e sabe até mesmo se você e eu temos estrutura emocional e espiritual suficientes para sermos abençoados. Se Deus ver que hoje o dinheiro pode desviar-nos dEle, com certeza escolherá outro momento para melhorar nossa renda.

[Ao lermos em Mateus 7:7-11 sobre as dicas de Jesus para orarmos, não devemos nos esquecer de seguir o exemplo do Salvador ao final de cada prece: “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres.” – Mateus 26:39. Não temos o direito de “determinar” o que Deus fará]

Há quem possa argumentar: “Mas, Malaquias 3:10 não está ensinando claramente que a as bênçãos são consequências da devolução dos dízimos e das ofertas?”

Realmente, o dizimar e o ofertar fazem parte de um mesmo mandamento bíblico. Ser dizimista é reconhecer que Deus é dono de tudo o que temos (Salmo 24:1) e que estamos administrando corretamente os bens dEle. As ofertas são demonstrações de nossa gratidão para com Ele por tudo aquilo que fez, faz e fará por nós. Mas, o detalhe é que as bênçãos prometidas em Malaquias 3:10 não são apenas materiais! São espirituais também. Quando dizimamos e ofertamos, devemos estar cientes de que Deus irá escolher o tipo de bênção que vamos receber: seja ela financeira, espiritual, amorosa, familiar, profissional…

Reconsiderando o questionamento acima, é importante contextualizarmos o texto bíblico para sabermos que antes do povo de Israel dizimar para ser abençoado, Deus já os havia abençoado ao tirá-los do Egito! Os Israelitas foram libertos da escravidão no Egito para depois demonstrarem a fidelidade a Deus por meio do sistema sagrado (dízimos e ofertas) estabelecido também com o propósito de tirar o egoísmo do coração humano. Acompanhe o raciocínio bíblico, de acordo com Malaquias 3:10 e leve em conta a história do povo de Deus no passado. Em seguida, aplique o princípio em sua vida:

Primeiro: Deus liberta o crente do pecado;

Segundo: O crente dizima em gratidão e reconhecimento de que Deus é o Criador e dono de tudo (Salmo 24:1);

Terceiro: Deus abençoa materialmente ou espiritualmente ainda mais. O Criador pode inclusive abençoar em todas as áreas da vida se Ele ver que a pessoa está preparada para tal.

Agora, perceba que a sequência “lógica” da teologia da prosperidade é bem diferente. Para eles:

• Primeiro eu dizimo;
• Depois, sou abençoado.

Devemos aceitar a primeira seqüência por ela ser apoiada pela Bíblia.

A abordagem dos teólogos da prosperidade é uma afronta à doutrina bíblica de que as bênçãos de Deus – inclusive a Salvação (a bênção mais importante!) vêm pela graça e não pelas obras (Efésios 2:8, 9; Gálatas 2:21). Não há dúvidas que a forma como o dízimo é apresentado pelo bispo Edir Macedo e pelo missionário R.R. Soares se constituem em salvação pelas obras! (E há quem ainda teime em dizer que os Adventistas é que são legalistas…)

Alguns dos muitos textos bíblicos que desaprovam a teologia da prosperidade

O primeiro é Romanos 1:16: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego”. A palavra “evangelho” significa “boas notícias”. A Bíblia nos dá a boa notícia de que podemos ser salvos pela fé na morte e ressurreição de Cristo. De acordo com Romanos 1:16, o evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que nEle crê. Portanto, o evangelho não é um produto comercial que pode vender a salvação a certos custos financeiros. Repito: a salvação é de graça (Romanos 11:5, 6).

O segundo texto bíblico é Mateus 8:20: “Mas Jesus lhe respondeu: as raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o filho do homem não tem onde reclinar a cabeça”.
Em certa ocasião, Jesus disse a uma pessoa desejosa de segui-Lo que Ele não tinha onde reclinar a cabeça. Eu me pergunto: o que os pregadores da prosperidade iriam dizer a Jesus hoje se Ele estivesse em nosso mundo sem um carro do ano ou um apartamento com vistas para o mar? Chegariam ao cúmulo de afirmar que Cristo não tinha a bênção de Deus ou até mesmo negar ser Ele o Messias, como fizeram os fariseus que acreditavam que o Salvador nasceria “em berço de ouro” e não numa manjedoura? São perguntas para refletirmos.

A teologia da prosperidade é uma continuação e uma roupagem moderna do farisaísmo. Os fariseus (líderes religiosos judeus) acreditavam que os favorecidos pelo Eterno sempre tinham posses materiais e saúde. Já os amaldiçoados por Deus eram pobres e doentes (leia João 9:1, 2 e perceba como tal conceito fazia parte da mentalidade judaica daqueles dias). Para tirar tal crença absurda da mente das pessoas da época, Jesus contou a parábola do rico e Lázaro registrada em Lucas 16:19-31 (outra lição ensinada – a principal – está no final da história fictícia). No relato parabólico de Lucas 16, Cristo inverteu os papéis: colocou o rico num suposto lugar de tormento e, o mendigo, num suposto Céu. Tal parábola precisa ser lida, relida e compreendida corretamente pelos teólogos da prosperidade com urgência! Deus quer salvá-los.

Fonte: Eventos Finais

Fonte2: A Ultima Advertencia ao Mundo

Esse post foi publicado em Enganos de Satanás, Sinais dos Tempos, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s